Semana On

Segunda-Feira 18.mar.2019

Ano VII - Nº 342

Coluna

George Orwell às avessas

O que o presidente faria se seu filho chegasse chorando?

Postado em 12 de Dezembro de 2018 - Rodrigo Amém

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Aconteceu na tarde de domingo, dia 9, em um condomínio de classe média alta, em Brasília. Na quadra esportiva, duas crianças de seis anos jogavam bola. Um dos meninos escorregou e deu com a cara no chão. Chorando, foi buscar consolo em casa. Encontrou fúria. De acordo com as imagens das câmeras de segurança, o pai do garoto veio à quadra possuído, gesticulando e fazendo ameaças. Segurou o outro menino e exigiu que o próprio filho desse um tapa no coleguinha. Depois disso, a mãe dele se juntou ao petit comité de linchamento e também agrediu a criança.

Diante da imagem do filho chorando, os adultos entenderam que o melhor curso de ação seria a vingança. Contra uma criança de seis anos de idade. Pior, exigiram que o próprio filho executasse a sentença, rosto ainda marcado por lágrimas e - provavelmente - pela dor da queda acidental.

Abusar psicologicamente do próprio filho e agredir fisicamente o vizinho não foi o bastante. A mãe se sentiu justificada em ela mesmo esbofetear o menino. O casal, que por sinal não é morador do condomínio mas visitavam o avô que é o real condômino, sentiu-se legitimado em adotar o Estatuto da Criança e do Adolescente da Lei de Talião: olho por olho, dente de leite por dente de leite.

Vamos recapitular para ficar claro: o filho dos descontrolados caiu sozinho, como costuma acontecer com os pequenos. O vídeo é claro. Mas isso não importa. Não deve importar para nós, que sabemos que nenhuma criança merece ser socada, e claramente não importou para os pais truculentos. O que eles queriam era claro: que alguém pagasse pelo inconveniente: ter sua tarde de domingo importunada pelo chororô. Alguém precisava pagar, e o filho falou que estava jogando bola com alguém. Ilogicamente, concluíram que esse alguém deveria pagar, fosse quem fosse.

O que me interessa sobre essa história é justamente essa parte: essa falta de ponderância que culminou com dois adultos abusando de duas crianças, incluindo a própria prole. Essa ausência de empatia e de ponderância que parecem ser a tônica central da classe média brasileira. É um misto de desconfiança nos processos civilizatórios com desejo de poder. Não o poder conciliatório, moroso, diplomático e de longo prazo. O poder violento, desmedido, desproporcional. O poder que acredita que violência é a melhor forma de educação e que o diálogo é subversivo e doutrinador.

Esses pais, que responderão na justiça por agressão e ameaça, não estão sós. Bastam alguns segundos nos fóruns dos portais de notícia que reportaram o acontecido. Eles apenas foram filmados no ato de uma prática velada de exercício de agressão. Conheço muito pai de família que teria feito o mesmo. Não me surpreenderia se este também fosse o posicionamento do presidente eleito.

Este é o Zeitgeist que paira sobre o Brasil na virada do ano. E contra ele, não há muito que se possa fazer. Punir os excessos, sim, claro. Mas para isso, será preciso uma multitude de câmeras e circuitos internos capaz de fazer George Orwell chorar. No futuro distópico brasileiro, a vigilância digital é mais aliada que inimiga, por incrível que pareça.

E é isso que eu te desejo, amigo leitor. Que em 2019, você não seja uma vítima. Mas, caso venha a ser, que seus agressores sejam capturados, pelo menos em vídeo.


Voltar


Comente sobre essa publicação...