Semana On

Quinta-Feira 17.out.2019

Ano VIII - Nº 367

Brasil

Cresce o número de jovens brasileiros que não pretendem ter filhos

Desde 1960, o número médio de filhos por mulher começou a diminuir no país

Postado em 06 de Dezembro de 2018 - José Eustáquio Diniz Alves

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Brasil, na maior parte de sua história, sempre teve taxas médias de fecundidade muito altas (acima de 6 filhos por mulher). Mas isto começou a mudar na segunda metade da década de 1960, quando o número médio de filhos por mulher começou a diminuir.

A percentagem de mulheres que não tinham filhos era muito baixa e, geralmente, estava relacionada a problemas de infertilidade ou em função da dificuldade de encontrar um parceiro adequado. O exemplo de Brás Cubas, imortalizado na obra de Machado de Assis, é um caso raro de uma pessoa que não teve filho e assumiu sua postura de maneira irônica: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria”.

Em 2005, o Brasil atingiu o nível de reposição da fecundidade (2,1 filhos por mulher) e o censo 2010 apontou uma taxa de fecundidade total (TFT) de 1,9 filhos. Mas, evidentemente, qualquer taxa de fecundidade representa diferentes níveis de parturição.

O gráfico acima (Cavenaghi e Alves, 2013) mostra que a percentagem de mulheres, no final do período reprodutivo, tendo 3 filhos ou mais tem diminuído para todas as coortes nascidas após 1956-1960. O percentual de mulheres tendo 2 filhos subiu, para a parturição observada, ficando em torno de 33% para as coortes nascidas entre 1960 e 1970. Contudo, os valores projetados mostram que as mulheres nascidas no início da década de 1970 e com parturição de 2 filhos representava 29% do total.

Já as mulheres com um filho cresceu de 10% para mais de 17% e deve chegar a 25% do total. As mulheres que não se tornam mães (zero filho) deve passar de pouco mais de 10% para cerca de 20% do total, conforme mostra o gráfico.

De fato, o Brasil mantém não somente taxas de fecundidade abaixo do nível de reposição, como também cresce o número de mulheres nulíparas (zero filho). Esta é a nova realidade do século XXI. Pesquisa recente (16 e 27 de julho de 2018) do Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios – perguntou para 41.389 pessoas, na faixa etária de 15 a 26 anos, em todo território nacional: “você pretende ter filhos?”. Embora, 57,97% das pessoas entrevistadas afirmarem a vontade de ter descendentes, mas uma grande parcela pretende ter apenas um filho.

Confirmando o estudo de Cavenaghi e Alves (2013), a pesquisa mostrou um montante significativo de 28,3% das pessoas entrevistadas que revelaram não considerar a ideia de ter filhos. Desses, 25,47% (10.543) afirmaram: “não quero ter filhos, tenho outras prioridades” e 2,82% (1.166) constataram: “o mundo já tem gente demais”.

Ou seja, o Brasil não será uma sociedade sem filhos (childless), mas tudo indica que a proporção de pessoas que escolherão “parturição zero” ou “parturição um” deve crescer de forma consistente no século XXI. Famílias pequenas será a norma e a TFT deve continuar abaixo do nível de reposição ao longo do século XXI. 

José Eustáquio Diniz Alves - Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE


Voltar


Comente sobre essa publicação...