Semana On

Segunda-Feira 20.mai.2019

Ano VII - Nº 351

Camara maio

Auau Miau

Promotoria abre inquérito para apurar morte de cão no Carrefour

Senador propõe aumentar pena para maus-tratos contra animais

Postado em 04 de Dezembro de 2018 - Livia Marra - Bom pra Cachorro

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Ministério Público de São Paulo instaurou inquérito civil na quarta-feira (5) para apurar responsabilidades na morte de uma cadela, resgatada ferida de uma unidade do Carrefour em Osasco (Grande SP). Na segunda (3), com registro de boletim de ocorrência como maus-tratos, uma investigação foi aberta também na Polícia Civil.

O caso provocou reações. Apontado como responsável por ferimentos no animal, o segurança da loja foi afastado preventivamente durante as investigações e é esperado para depoimento.

O cão estava havia alguns dias no local, era alimentado por funcionários e se aproximava das pessoas em busca de atenção. Após reclamações de clientes, segundo a empresa, um empregado terceirizado tentou afastá-lo. As causas são apuradas, mas a ação que envolveu a retirada do cão da loja e seu resgate pode ter resultado na morte do animal.

O caso ocorreu no dia 28 de novembro e foi seguido por informações conflitantes. Na ocasião, o Departamento de Fauna e Bem Estar Animal foi acionado para resgatar a cadela, que estava sangrando, e usou um enforcador para a captura. Levada para atendimento emergencial, ela apresentava pressão baixa, vomito com sangue, tinha escoriações múltiplas e morreu em seguida, segundo a prefeitura. Como não havia denúncia de agressão na ocasião—mas suspeita de atropelamento—, a administração municipal deu o destino esperado para o corpo, que foi cremado.

Imagens que mostram o cão próximo a manchas de sangue começaram a circular nas redes sociais dias depois com denúncias de maus-tratos. A hipótese de envenenamento também foi levantada. Sem o corpo do animal para perícia, as investigações se restringem a depoimentos e imagens de câmeras de segurança.

Na terça (4), a atriz Luisa Mell, militante da causa da causa da defesa animal, esteve na delegacia e transmitiu por rede social imagens e entrevista com a delegada responsável, Silvia Fagundes, que confirmou agressão. Também foram exibidos vídeos que mostram o segurança seguindo a cadela, que, depois, caminha e deixa marcas de sangue.

O hipermercado diz que a tentativa de afastar a cadela provocou um ferimento em sua pata e afirma que ela desfaleceu “em razão do uso de um ‘enforcador’, tipo de equipamento de contenção”, adotado pela prefeitura.

Uma barra de alumínio, que teria sido usada contra o cachorro, foi apreendida e deve ser periciada.

Em nota, o Carrefour repudia qualquer tipo de maus-tratos e reconhece que “um grave problema” ocorreu na loja. ”A empresa não vai se eximir de sua responsabilidade. Estamos tristes com a morte desse animal.”

A empresa afirma ainda que tem recebido sugestões de entidades e ONGs, que vão auxiliar “na construção de uma nova política para a proteção e defesa dos animais.”

O inquérito policial, aberto na segunda (3), deve apurar as responsabilidades no episódio. Testemunhas ouvidas por defensores no fim de semana confirmaram agressões, de acordo com o delegado Bruno Lima, deputado eleito pelo PSL. Para ter validade, no entanto, esses depoimentos precisam ser prestados formalmente, à Polícia Civil.

Maus-tratos contra animais é crime previsto em lei e que pode render pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

Repercussão

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se manifestou nesta quarta (5) sobre o caso e diz que “seres humanos são capazes de fazer bizarrices que, com certeza, os animais jamais fariam”. Também defendeu prisão para “quem tem prazer em crueldade”.

Nas redes sociais, anônimos e famosos reagem e pedem punição aos envolvidos. Fotos e desenhos fazem homenagens ao animal que morreu.

Há manifestações também em perfis de cães, como o da vira-lata Estopinha Rossi, que já foi abandonada e hoje é uma celebridade canina. “Ai tios…podia ter sido eu”, diz a publicação. “Quando os humanos vão entender que a gente merece tanto amor e respeito quanto eles? Que a gente sente dor? Que pede ajuda? Quando, tios?”

Pena

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou quarta-feira (5) um projeto que eleva a punição para crimes de maus-tratos contra animais.

Pela proposta, seriam aplicadas penas de 1 a 3 anos de detenção. Atualmente, a lei prevê de 3 meses a 1 ano de detenção, além de multa.

O senador também quer punição financeira para estabelecimentos comerciais envolvidos com as práticas, direta ou indiretamente. A multa seria no valor de um a mil salários mínimos, conforme alguns critérios, entre eles a gravidade e a extensão dos maus-tratos. A proposta destina os recursos arrecadados a entidades de recuperação, reabilitação e assistência de animais.

A apresentação do texto ocorre uma semana após a morte de uma cadela, que foi socorrida ferida de uma loja do Carrefour em Osasco (Grande SP). Na última segunda (3), um boletim de ocorrência foi feito como maus-tratos, e a Polícia Civil instaurou inquérito para apurar as causas da morte.

Segundo a Agência Senado, o presidente da Casa, Eunício Oliveira, disse que vai dar urgência de ofício à proposta.

Maus Tratos

De acordo com a lei nº 9.605/1998, de crimes ambientais, maus-tratos contra animais é crime, com punição de detenção e multa.

Para que o responsável seja punido, é necessário que o crime seja denunciado. Porém, poucos casos são formalizados e levados à diante no país.

Denúncias de maus-tratos devem ser feitas à polícia, e é possível registrar boletim de ocorrência nas delegacias.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Ai tios... podia ter sido EU! Já pensaram nisso? Pois é, eu pensei. Sou uma vira-latinha, já fui abandonada, já tive fome e frio... já procurei proteção com os tios humanos. A única diferença, é que eu tive SORTE é, porque podia ter sido eu sim. Quando que os humanos vão entender que a gente merece tanto amor e respeito quanto eles? Que a gente também sente dor? Que pede ajuda? Quando tios? O que não falta nas ruas é cãozinho abandonado, e isso não quer dizer que ele é mau não... não quer dizer que ele é fedido, que ele é bandidico, que ele é bravo, nada disso. A gente tá nesse mundico aqui só pra distribuir AMOR, CARINHO, RISADA... E é só isso que a gente pede de vocês, uma oportunidade de deixar a gente ser assim! Agora minha irmãozinha que foi pro céu é um anjinho que eu não pude ajudar, mas que me mantém fortica pra continuar meu trabalhico aqui na Terra. Eu não vou parar, tá? Por você, por todos nós! #VaiBrincarNasNuvens #QuePorAqui #AGenteContinuaOTrabalho #NãoParo #NãoParo #NãoParoNão

Uma publicação compartilhada por Estopinha Rossi (@estopinharossi) em

-

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Como vcs devem estar acompanhando pelas notícias, um cachorro foi espancado e morto por um funcionário dentro do @carrefourbrasil. Quando vamos entrar na página e reclamar, eles enviam respostas prontas, copiadas e coladas , dizendo que repudiam esse ato. SE REPUDIAM mesmo, sugiro que agora aproveitem essa “chance” (não sei que palavra usar aqui) para assumirem uma responsabilidade pelo ato dentro de suas empresas. Se estão tão chocados quando nos, aproveitem essa crueldade para fazerem a diferença. Comecem a ajudar ONGs que cuidam de animais abandonados. Comecem a doar alimentos para cuidar desses bichos. Parem de dar respostas prontas e sejam “humanos” pelo menos agora. Eu fico imaginando que esse cachorro poderia estar na minha casa cuidado com Todo amor , como o Nino (que teve a perna arrancada) ou a Penélope (que cegaram) ou como meus 13 gatos de rua. Existem MUITAS pessoas cuidando de animais abandonados. Mas ainda sim são muitos que precisam. E aí @carrefourbrasil ? O que vão fazer? E nós? Vamos fazer algo juntos?

Uma publicação compartilhada por Tata Werneck (@tatawerneck) em

 

-

 

-

 


Voltar


Comente sobre essa publicação...