Semana On

Terça-Feira 18.dez.2018

Ano VII - Nº 332

Super Banner na capa e em toda a revista

Poder

Chanceler de Bolsonaro diz que combaterá pautas abortistas e anticristãs na ONU

Em artigo para jornal, Ernesto Araújo defende nomeação de quem entende de ideologia para extirpar marxismo e seus disfarces no Itamaraty

Postado em 30 de Novembro de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Anunciado como ministro das Relações Exteriores do próximo governo, Ernesto Araújo descreveu, em artigo publicado na segunda-feira no jornal "Gazeta do Povo", de Curitiba, como pretende levar adiante a missão de "libertar o Itamaraty" que lhe foi confiada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Araújo afirma que pautará sua atuação pelo combate a políticas que, no próprio Ministério das Relações Exteriores, compactuam com o que classifica como "alarmismo climático", "pautas abortistas e anticristãs em foros multilaterais" e a "destruição da identidade dos povos por meio da imigração ilimitada".

O futuro chanceler diz que a meta é extirpar das relações internacionais brasileiras a "ideologia do PT", que segundo ele nada mais é do que o "marxismo cultural", definido como aquele que busca controlar não mais os meios de produção material, mas de produção intelectual na imprensa e na academia. "Quando me posiciono, por exemplo, contra a ideologia de gênero, contra o materialismo, contra o cerceamento da liberdade de pensar e falar, você me chama de maluco. Mas se isso não é o marxismo, com estes e outros de seus muitos desdobramentos, então qual é a ideologia que você quer extirpar da política externa?", pergunta Araújo ao leitor.

Além das políticas favoráveis ao controle do aquecimento climático, da descriminalização do aborto e das que chama genericamente de "anticristãs", Ernesto Araújo inclui entre as pautas a combater dentro do Itamaraty "o terceiro-mundismo automático e outros arranjos falsamente hegemônicos", a "transferência brutal de poder econômico em favor de países não democráticos e marxistas" (supostamente uma referência à China, que ele ainda chama de "maoísta") e "a suavização do tratamento  dado à ditadura venezuelana".

No início do texto, ele aponta que parte da imprensa e dos colegas diplomatas esperava ver Bolsonaro escolher um chanceler "que saísse pelo mundo pedindo desculpas". "Um Ministro das Relações Envergonhadas", ironizou. Essa pessoa seria responsável por "frear o ímpeto de regeneração nacional" e garantir aos pares que nada mudaria no posicionamento global do Brasil.

Contra esse ideia, o futuro chanceler defende uma política externa que traduza a "sagrada voz do povo", entendida como a voz do presidente eleito. Essa voz, segundo Araújo, deve ser autêntica e não "dublada no idioma da  ONU", "pois no idioma da ONU é impossível traduzir palavras como amor, fé e patriotismo". 

O artigo refere-se a um povo brasileiro sofrido e trabalhador que supostamente se identificaria com as propostas e a ideologia bolsonarista — embora, em seu blog, Metapolítica 17, o futuro chanceler já tenha dito que quem tem ideologia é a esquerda, já que ele tem "ideias". Araújo opõe esse povo genérico às elites burocráticas e intelectuais, afirmando que o Itamaraty deve sair do pedestal e se relacionar com "o sofrimento, a paixão e a fibra dessas pessoas".

"Em uma democracia, a vontade do povo deve penetrar em todas as políticas. Mas as pessoas daquele sistema midiático-burocrático, que gostam tanto de falar em democracia, não sabem disso. Perguntam-se, assustadas: 'O que vão pensar de mim os funcionários da ONU, o que vai dizer de mim o 'New York Times', o que vai dizer 'The Guardian', 'Le Monde?'", escreveu o embaixador.

"Alguns jornalistas estão escandalizados, alguns colegas diplomatas estão revoltados. Revoltados por quê? Porque pela primeira vez terão de olhar o seu próprio povo na cara e escutar a sua voz?", continuou.

O futuro ministro defende que o país precisa de "alguém que entenda de ideologia" para acabar com ela no Itamaraty, ao conhecer suas "causas, manifestações, estratégias e disfarces"."Vencida na economia, a ideologia marxista, nas últimas décadas, penetrou insidiosamente na cultura e no comportamento, nas relações internacionais, na família e em toda parte", afirma.

Nelson Ernesto Araújo foi confirmado para o cargo ministerial em 14 de novembro. Até então, era diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos e nunca havia chefiado uma missão no exterior. O "brilhante intelectual", como classificou o presidente eleito, se aproximou do bolsonarismo por meio do guru da direita Olavo de Carvalho, radicado nos Estados Unidos. Carvalho elogiou um artigo de Araújo publicado no ano passado na revista do centro de estudos do Itamaraty, intitulado "Trump e o Ocidente". No texto, o embaixador diz que o ocupante da Casa Branca assumiu a missão de resgatar a civilização ocidental, sua fé cristã e suas tradições nacionais forjadas "pela cruz e pela espada" do "marxismo cultural globalista", cujo marco inicial seria a Revolução Francesa, anterior ao filósofo e economista político Karl Marx.


Voltar


Comente sobre essa publicação...