Semana On

Terça-Feira 18.dez.2018

Ano VII - Nº 332

Super Banner na capa e em toda a revista

Poder

Guru de Bolsonaro gosta de matar ursos para fazer churrasco

Quando ganhou licença, nos Estados Unidos, o astrólogo/filósofo Olavo de Carvalho comemorou nas redes sociais, em 2014, com uma linguagem na exatamente acadêmica: pau no cu dos ursos

Postado em 30 de Novembro de 2018   - Catraca Livre

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Quando ganhou licença, nos Estados Unidos, o astrólogo/filósofo Olavo de Carvalho comemorou nas redes sociais, em 2014, com uma linguagem na exatamente acadêmica: “pau no cu dos ursos”.

Diante das críticas, ele afirma que está defendendo o meio ambiente:

A vida de Olavo de Carvalho está sendo mais conhecida por sua influência no governo Jair Bolsonaro. Ele esteve por trás de duas indicações: Ernesto Araújo para Relações Exteriores e Vélez Rodrígues, Educação.

Na sua primeira entrevista, o já presidente eleito apresentou, na mesa, livros que o influenciavam: a Bíblia e a Constituição, “O Mínimo que Você Precisa Saber para Não Ser um Idiota”, de Olavo de Carvalho, e “Memórias da Segunda Guerra”, de Winston Churchill.

Esse sinal de admiração não se limitou ao campo intelectual.

Astrólogo

Intitulado filósofo, ele não tem diploma de ensino superior. Durante muito em São, Olavo de Carvalho era apenas conhecido como astrólogo.

Esse anúncio acima, publicado no jornal “O Estado de S. Paulo”, mostra que, na década de 1980, Olavo de Carvalho atuava como astrólogo profissional.

Era um curso de oito meses e uma aula semanal. “É um estudo da ‘vocação’ da pessoa segundo o estudo de seu mapa astrológico”, dizia o anúncio.

A curiosidade se deve ao fato de que Olavo de Carvalho é visto como o guru do clã Bolsonaro.

Na sua primeira entrevista, o já presidente eleito apresentou, na mesa, livros que o influenciavam: a Bíblia e a Constituição, “O Mínimo que Você Precisa Saber para Não Ser um Idiota”, de Olavo de Carvalho, e “Memórias da Segunda Guerra”, de Winston Churchill.

Esse sinal de admiração não se limitou ao campo intelectual. Carvalho ajudou a indicar dois ministros: Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Vélez Rodríguez (Educação).

Além da astrologia, Olavo de Carvalho, fundador da Escola Jupiter de Astrologia, mostrava em cursos como as energias descobertas pelos orientais tinham comprovação científica.

No ano passado, Olavo Carvalho publicou artigo defendendo a astrologia.

“Ainda hoje, quando falamos em astrólogos, muita gente pensa em homens sinistros de chapéus pontudos, a contemplar o céu de suas altas torres e a interpretá-lo segundo seus delírios. E, no entanto, eles já estão penetrando nos gabinetes e laboratórios da ciência, misturando-se entre químicos, biólogos, meteorologistas, médicos e financistas. . .””

No artigo intitulado “A Volta da Astrologia”, ele escreve:

“Todos os debates que houveram ( sic)serviram para mostrar que a astrologia é um assunto infinitamente mais completo do que seus opositores jamais imaginaram”

Filha acusa o pai

Os holofotes fizeram com que voltassem a circular uma carta aberta da filha de Olavo Carvalho ao pai.

Filha do filósofo Olavo de Carvalho, a bacharel em direito Heloisa de Carvalho Martins Arribas divulgou um carta aberta em que faz graves acusações contra o pai. O texto foi publicado neste sábado, dia 16, em seu perfil no Facebook e no blog Prometheo Liberto.

De acordo com a carta, o filósofo já apontou uma arma contra os próprios filhos e tratou com descaso o abuso sexual sofrido por Heloisa quando criança. Em entrevista à Veja, a filha contou que escreveu “Carta Aberta a um Pai” com o objetivo de “desmascarar” Olavo, pensador popular entre conservadores, com 185 mil seguidores no Twitter.

“Não adianta mais o seu hábito de criar medo nas pessoas, o que fez com que seus filhos e esposas não abrissem a boca nem mesmo para Deus. Sempre foi sua tática chamar os outros daquilo que você é, e depois se sair de vítima quando é desmascarado ou ficar ironizando como uma forma de mascarar a verdade”, escreveu ela. 

“Tudo o que escrevi é um recado para você: muda enquanto dá tempo para você se transformar em um ser-humano decente. E não diga que eu me uni ao diabo. Isso sempre foi um direito só seu! Eu não preciso me unir a ninguém para falar e contar sobre você. E pode ter certeza de que lembro de muito mais coisas”, completou Heloisa.

Após a repercussão do caso nas redes sociais, Olavo de Carvalho negou as acusações. À revista Veja, o filósofo afirmou que a filha não apresentou provas do que publicou em seu texto. Ele contou, ainda, que os demais filhos já o procuraram para manifestar solidariedade e desmentiram a irmã publicamente.

“Ela me acusa de ter ameaçado os meus filhos com um revólver na mão. E eles dizem que isso não aconteceu. É muito simples, ela tem sete irmãos, nenhum dos sete confirma o que ela está dizendo. Então é o crime sem vítima. Esse é um primeiro detalhe. Se houve um crime, há uma vítima, há um corpo de delito, então cadê a vítima?”, disse.

O escritor atribuiu as denúncias de Heloisa ao fato de ela não ter sido incluída no filme “Jardim das Aflições”, que fala sobre a vida e a obra de Olavo de Carvalho. “O ressentimento apareceu quando estreou o filme ‘Jardim das Aflições’. Ela telefonou ofendidíssima, porque meus filhos estavam todos participando do filme e ela não.”

David de Carvalho entregou na briga ao lado pai:

Davi de Carvalho defendeu o pai:

Eu evitei qualquer tipo de comentário sobre toda essa situação entre a minha irmã, Heloisa, e meu pai, Olavo. Porém, sérias acusações estão sendo feitas e não posso me silenciar diante disso.

O fato é: meu pai NUNCA apontou uma arma para a minha cabeça, e também NUNCA o vi apontar uma arma para qualquer outra pessoa. As armas que ele me MOSTROU, foram entregues por ele nas minhas mãos, para que eu mesmo pudesse atirar no shooting range que havia na casa dele na Virginia. Uma dessas vezes foi registrada no vídeo abaixo.

O que eu tenho a dizer sobre o resto da carta da Heloisa, e das outras acusações, é que ela é uma ingrata. Sempre foi com todos. Com a mãe, com o pai, com amigos e até mesmo com a tia que a criou, e a quem eu também devo muito.

Eu realmente sinto muito que meu pai, a essa altura da vida, tenha que passar por isso, e amargar o desgosto de ter a própria filha voltada contra ele e ainda por cima abraçada na pior corja de seres humanos que existem.

Independente dos problemas que qualquer um de nós, filhos, possam ter com ele, qualquer rede social não é lugar para resolver. Meu pai não é perfeito, como qualquer outro ser humano, mas uma coisa eu posso dizer com certeza: ele sempre perdoou qualquer pessoa que lhe pedisse desculpas, e fosse sincera, colocando imediatamente uma pedra em cima do assunto.

Acredito que, por pior que seja a situação e as histerias da Heloisa, enquanto se está vivo, sempre há esperança.
“A seguir, levantou-se e foi para seu pai.

Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. O filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho’. Mas o pai disse aos seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e alegrar-nos.” (Lucas 15:20-23)

Íntegra da carta

Estou escrevendo essa carta aberta por que você só sabe ficar xingando daí dos Estados Unidos, já que nunca teve a decência de enfrentar as pessoas cara a cara. E, quando digo enfrentar, é encarar que tudo o que falo sobre sua vida é a mais pura verdade. Não adianta mais o seu hábito de criar medo nas pessoas, o que fez com que seus filhos e esposas não abrissem a boca nem mesmo para Deus. Sempre foi sua tática chamar os outros daquilo que você é, e depois se sair de vítima quando é desmascarado ou ficar ironizando como uma forma de mascarar a verdade.

Você não se lembra das inúmeras vezes em que você me pegou para passar o final de semana com você, e você nem me respeitava, ficando na sala ao lado enquanto eu dormia na sala do Bolla e era acordada no meio da noite com os gemidos das suas farras?

Lembra-se de que, quando minha mãe, meus irmãos e eu fomos despejados e passamos a morar em um quarto com banheiro nos fundos da sua escola de astrologia, a Escola Júpiter, enquanto você fazia uma farra com a sua segunda esposa, a Silvana, minha mãe tentou o suicídio e, se não fosse por mim, ela teria morrido? Já se esqueceu também de que, quando eu fui morar com você e a Silvana, meus irmãos foram morar com a nossa avó materna, mas você nunca foi visitá-los?

Esqueceu que, quando fomos morar na casa perto do aeroporto, você e sua esposa Silvana me largavam sozinha enquanto você ia dar aula de astrologia, e que depois saíam para jantar fora e chegavam de madrugada enquanto eu, com apenas 13 anos, ficava lá sozinha e sem comida?

Aliás, as suas casas, apesar de ter mais de uma esposa, sempre foram imundas, e as suas esposas faziam questão de ficar a madrugada toda acordadas, batendo papo furado com você, e depois dormiam o dia todo. A sua mãe nunca ia visitá-lo, pois tinha nojo! E eu, quando morei com você, acabei tendo de aprender todo o serviço de casa, já que nunca gostei de sujeira.

E já que estou falando da sua mãe, lembra-se que ela morreu recentemente sem ao menos receber um único telefonema seu enquanto estava consciente, apesar de ter pedido tanto que você entrasse em contato? Essa minha avó, com quem você tantas vezes brigou e deixava com enxaquecas, passando mal por sua causa, sendo que quem estava ao lado dela, muitas dessas vezes, era eu.

E era eu também que, quando você foi internado na clínica psiquiátrica, ia te visitar, apesar de você ter internado minha mãe em um hospício por duas vezes só para que a sua vida ficasse mais fácil, já que assim ela não podia cobrar nada de você.

Nós sempre vivemos contando com a ajuda de familiares. Ou se esqueceu de que minha mãe deu a guarda judicial dos filhos para parentes, para que assim nós pelo menos tivéssemos acesso a tratamento médico, já que você não dava assistência aos próprios filhos?

Já esqueceu que nunca se preocupou nem com a escola dos filhos, mas agora fica postando fotos dos diplomas da Leilah aí nos Estados Unidos, sendo que as pessoas nem imaginam que ela só vai à faculdade porque, depois de 12 anos que estão aí, ela ainda não conseguiu a cidadania e precisa de vínculo com uma universidade para continuar no país?

Não se lembra mais de que nunca visitou a casa de um filho? Hoje, para dar ares de “família margarina”, fica se fazendo de pai de família e bom avô, mas as pessoas não sabem que, quando você surta, culpa a todos à sua volta pelos seus erros com essa sua fúria histérica.

Lembra que, em um surto de loucura, colocou uma arma na cabeça dos seus filhos?

E onde estava o pai da “família margarina” que, quando soube que eu tinha sido abusada sexualmente, não fez absolutamente nada, e que há uns quatro meses ainda me culpou pelo abuso? Acho que você esqueceu de que eu só tinha 9 anos.

Diante de tantos fatos ocorridos em nossas vidas, fatos esses não só da vida familiar, mas também muitas coisas que eu vi você fazer contra os seus amigos, eu agora percebo que você não mudou nada. Eu até cheguei a acreditar que tinha mudado, mas, quando te liguei para defender o Daniel Aragão e te contar sobre o caráter do Jossias Teófilo, você, a Leilah e a Roxane começaram a xingar a mim e ao Daniel numa gritaria cheia de palavrões que mais parecia um surto psicótico. Eu sei que, quando você surta, você fica incontrolável. Eu já vi muitos desses surtos. Daí caí na realidade: você não mudou nada!

Você fala que não sabia que o Tales é muçulmano, mas se esqueceu que quem levou ele e a família toda para o islã foi você, e ainda levou junto um secto de amigos, sendo que alguns deles ainda frequentam seu meio social?

Na comunidade muçulmana que você criou em sua casa na Bela Vista, todos te apoiavam e te seguiam incondicionalmente. Na época, eu não sabia que aquilo era uma seita. Quando tudo explodiu, as pessoas te largaram, muitas sumiram e algumas ficaram loucas. Como no caso da Liana, uma pessoa boa que você usou, de quem você realmente pegou dinheiro indevidamente e que te processou por isso. Ela só não ganhou porque estava perturbada demais para ser sensata no processo, e você acabou beneficiado pelo “in dubio pro reo”.

Em relação a esse post: “O dr. Muller, um gênio da psicologia clínica, foi uma inspiração para mim, mas não um exemplo que eu desejasse seguir: eu sentia horror só de me imaginar sentado num consultório conversando com louquinhos e com mocreias histéricas o dia inteiro. Não sei como ele aguentava”.

Por que não se inspirou nele quando ele disse que eu precisava ter uma vida normal de criança? Talvez por isso é que diga que ele não fosse um exemplo para você.

Quanto a esse outro post:

“Também me inspirei no Michel Veber, mas ficar o dia inteiro de quimono dando e levando porrada na academia não era, nem de longe, a vida dos meus sonhos”.

Quando você ia “treinar” no Michel Weber, eu ficava andando pelo estúdio dele e via coisas macabras, como quadros e objetos que pareciam coisas satânicas. E tinha também aqueles cães sanguinários dele, que pareciam ter parte com o demônio, e, no dia em que quase me atacaram, o Michel, em vez de se preocupar comigo, ficou bravo com você por ter me deixado xeretando nas “coisas” dele.

Outo post seu:

“O grotesco é a mescla indissolúvel do ridículo, do macabro e do patético. Apegar-se a ele, na esperança de atrair ao menos a atenção do diabo, é o último recurso de quem nada conseguiu pela beleza, pela bondade, pelo talento, pela coragem ou pelo puro e simples trabalho”.

Então, quem aqui é grotesco, quem aqui sempre foi unido com o macabro, quem aqui não é bondoso para com seus parentes e amigos, quem aqui não teve talento, e eu estou falando em talento de fato, não o de criar um secto de fanáticos e cegos, quem nunca teve coragem perante a vida, quem aqui nunca trabalhou de verdade?

Você pouco sabe da minha vida, das pessoas que me cercam, dos meus amigos, do meu trabalho… Então começa a criar vergonha na cara e pare de dar indiretas (um hábito seu desde que eu me conheço por gente). Você nunca teve coragem e decência para enfrentar a vida real.

Tudo o que escrevi é um recado para você: muda enquanto dá tempo para você se transformar em um ser-humano decente. E não diga que eu me uni ao diabo. Isso sempre foi um direito só seu! Eu não preciso me unir a ninguém para falar e contar sobre você. E pode ter certeza de que lembro de muito mais coisas.

E só não enxerga o que você está criando nas pessoas, usando o nome de Deus, quem é cego, pois eu vejo claramente, como já vi em outras épocas suas, um bando de pessoas insensatas, com ódio de tudo e de todos, que caem cegamente na sua pregação, criando um exército de intolerantes com seus semelhantes, e que, quando enxergarem, não vai ter psiquiatra e nem hospício suficiente para todos.

Pai, você sabe que minha questão não é familiar como você pinta, fazendo parecer somente uma fofoquinha. Eu só falo de fatos familiares para que as pessoas enxerguem quem você é na vida real. Sinto muito que a sua lavagem cerebral sobre as pessoas já tenha tomado essas proporções. Sim, isso mesmo, lavagem cerebral com as técnicas que você domina tão bem, como as da Programação Neurolinguística.

E quanto ao dente de leite que está sendo leiloado e você diz não ser seu, foi a minha avó quem deixou para mim muito antes de morrer. Mas você sabe muito bem que eu sempre fui o baú e memória viva da família. Tanto dos fatos quanto dos objetos. Acredito que você nem sequer tenha uma foto sua de criança, nem o peso de papel do seu pai, nem o seu álbum de bebê. Nenhum de vocês tem nada, pois a única que sempre conviveu de perto com minha avó fui eu. E você sabe bem disso.

(…)

Então não diga que o dente de leite não é seu. Você sabe muito bem que minha avó sempre me deu tudo o que ela guardava de você.

Mas, se mesmo assim, tiver dúvidas quanto ao dente ser seu, eu posso mandar fazer um exame de DNA nele.

Mas você não vai querer passar pela vergonha de ser desmentido novamente, vai?

Heloísa de Carvalho Martin Arribas


Voltar


Comente sobre essa publicação...