Semana On

Terça-Feira 18.dez.2018

Ano VII - Nº 332

Super Banner na capa e em toda a revista

Poder

Paulo Guedes, o oráculo do Estado minúsculo que acalmou Bolsonaro

A história de Paulo Posto Ipiranga Guedes, o futuro dono da pasta da Fazenda

Postado em 30 de Novembro de 2018   - Fernando Cesarotti, ilustrado por Cassio Tisseo – VICE

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Reduzir a carga tributária. Reduzir o número de impostos. Reduzir o déficit fiscal. Reduzir a inflação. Reduzir o tamanho do Estado, privatizando o máximo de estatais possível – todas elas, se for o caso. Depois de décadas trabalhando no mercado financeiro, sempre pensando em aumentar lucros e ganhos de seus bancos e fundos de investimento, Paulo Guedes assume em janeiro o comando da economia no governo Jair Bolsonaro tendo “reduzir” como palavra de ordem.

Curiosamente, nem sempre foi assim. A formação em economia de Guedes o fez inicialmente um keynesiano, ou seja, um defensor das ideias de John Maynard Keynes, teórico britânico famoso por defender a importância da intervenção do Estado. Mas a viagem do jovem carioca para estudar nà Universidade de Chicago, com direito a bolsa no CNPq (Conselho Nacional de Pesquisa) o colocou em contato com Milton Friedman, um dos criadores do pensamento ultraliberal que dominou o mundo nos anos 1970 e 1980, sob a liderança política da premiê britânica Margaret Thatcher e do presidente norte-americano Ronald Reagan. E Guedes se tornou então aquilo que ficaria conhecido, muitas vezes em tom de ofensa, como um “neoliberal”.

Depois de conseguir seu PhD nos Estados Unidos, Guedes voltou ao Brasil e virou professor em tempo parcial na FGV e na PUC-RJ, onde daria aula para futuros medalhões como Armínio Fraga, presidente do Banco Central no governo Fernando Henrique Cardoso. Mas, sem espaço no governo para implantar suas ideias, aceitou um convite para dar aulas na Universidad de Chile, então sob intervenção da ditadura de Augusto Pinochet.

O Chile ficou conhecido nesse tempo por ser uma espécie de laboratório do neoliberalismo, com a presença de outros “Chicago boys” além de Guedes. Entre outras medidas controversas, o grupo comandou uma reforma da Previdência que adotou, de forma pioneira no mundo, o sistema individual de capitalização, semelhante aos regimes privados em vigor no Brasil hoje. Funciona assim: cada trabalhador economiza para sua própria aposentadoria, sem contribuição obrigatória dos empregadores ou participação do Estado. O problema é que o sistema tem apresentado problemas e o presidente Sebastian Pinera, de centro-direita, estuda uma nova reforma, já que alterações feitas pela esquerdista Michele Bachelet não deram resultado e a renda média dos aposentados chilenos não chega a metade do salário mínimo local.

De volta da experiência chilena, Guedes entrou de cabeça no mercado financeiro. Foi um dos fundadores do banco Pactual e comandou diversos fundos de investimentos, também sob alguma polêmica – o Ministério Público Federal investiga a existência de fraude na gestão de recursos oriundos de fundos de pensão de empresas estatais, acusação negada pelo economista.

Há quem diga que Guedes se considera um incompreendido e que decidiu se juntar a Bolsonaro por enxergar uma chance, talvez a última, de aplicar sua cartilha ultraliberal no Brasil. Era uma tabelinha aparentemente complicada, afinal, Bolsonaro é um ex-militar, e os governos militares do Brasil ficaram famosos pelo apego ao desenvolvimentismo com ação direta do Estado, ilustrada pela construção de obras faraônicas e pela criação de dezenas de estatais. Além disso, muitos militares são extremamente nacionalistas, e a própria campanha de Bolsonaro pregou “o Brasil acima de tudo”, enquanto os liberais não são exatamente famosos pelo apego a fronteiras e nações.

Mas o fato é que a tabelinha deu certo. A presença de Guedes como “posto Ipiranga”, apelido dado pelo próprio Bolsonaro por ser a fonte de todas as respostas sobre economia, fez com que o outrora candidato visto como radical ganhasse ares de moderação e o aval do chamado “mercado”, aquela entidade quase mística que interpreta e respalda as decisões a respeito da economia e, no fim das contas, do dia a dia dos cidadãos.

O que se espera agora é como Guedes lidará com a questão política. Como gestor na iniciativa privada, ele sempre teve plena liberdade de ação, coisa que não acontece no setor público, onde há fiscalização de outros poderes e necessidade quase infinita de negociações. A primeira impressão junto ao Congresso, por exemplo, não foi nada boa: em reunião com o presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE) sobre a aprovação do Orçamento da União para 2019, Guedes deu algumas bolas fora, como tentar forçar a votação da reforma da Previdência para ainda este ano e dizer que votar o Orçamento “não era importante”. “Se vocês não aprovarem tudo aquilo que nós queremos esse ano, o PT volta. Se aprovar a reforma o Brasil vai crescer a 6%, se não aprovar o Brasil não vai crescer, eu vou culpar vocês”, disse Guedes a Eunício, segundo relato do senador.

Críticos e opositores também estão de olho num possível conflito de interesses, já que fundos ligados a Guedes têm participação, por exemplo, em grupos privados de ensino superior, num cenário em que a redução de verbas para as universidades federais já é um problema crônico.

Para aplicar suas ideias, Guedes se cercou de gente ligada ao mercado, como Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central; Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras; e Samir Mattar, secretário de desestatização. Joaquim Levy, ex-ministro da Fazenda da Dilma Rousseff numa desastrada tentativa de aceno do PT aos mercados, será o presidente do BNDES. A gestão de Guedes à frente da economia brasileira parece destinada a um ditado popular: a sorte está lançada. Dependendo do que acontecer, talvez seja preciso recorrer a outro: salve-se quem puder.

Nome: Paulo Roberto Nunes Guedes
Idade: 69 anos
Ministério: Fazenda
Formação: Bacharel em Economia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), com mestrado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e doutorado na Universidade de Chicago
Partido: não tem


Voltar


Comente sobre essa publicação...