Semana On

Quarta-Feira 22.mai.2019

Ano VII - Nº 351

Legislativo

Construção da Vila da Melhor Idade deve começar no próximo ano

Moradores serão escolhidos em sorteio

Postado em 27 de Novembro de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O projeto Vila da Melhor Idade de Campo Grande, primeiro condomínio exclusivo para pessoas idosas da cidade, já está praticamente finalizado e agora começará a fase de licitação para escolher a empresa que iniciará as obras. Serão 40 apartamentos construídos na região central da cidade, numa área que contará também com horta, espaço de convivência e capela ecumênica. Os detalhes foram apresentados no último dia 23 na Câmara Municipal, em Audiência Pública presidida pelo vereador Valdir Gomes, autor da lei que criou a proposta das moradias. 

O local para abrigar a Vila da Melhor Idade já está definido: o terreno na confluência da Rua Anhandui com a Avenida Fernando Corrêa da Costa, próximo ao Horto Florestal, na antiga sede da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito). Os apartamentos vão contemplar as exigências de acessibilidade. 

O condomínio residencial será voltado para pessoas com idade superior a 60 (sessenta) anos e que tenham rendimentos de até 02 (dois) salários mínimos. O investimento previsto é de R$ 3,5 milhões, com recursos próprios do município. Cada apartamento terá sala, cozinha, área de serviço, quarto, banheiro e varanda, totalizando 37 metros quadrados. O condomínio terá ainda biblioteca, sala de jogos, espaço para primeiros socorros.

Essa primeira Vila da Melhor Idade será voltada para idosos que sejam independentes, que consigam se locomover sozinhos, mas, mesmo assim, houve o planejamento para espaços adaptados, para as cadeiras de rodas em todos os ambientes, por exemplo, além do elevador, segundo o arquiteto Gabriel Gonçalves, Diretor de Habitação de Programas Urbanos da Empresa Municipal de Habitação (Emha). 

A equipe da Emha fez visita a condomínio semelhante em São Paulo, caso de sucesso premiado nacionalmente. Essa modelagem foi aplicada à realidade de Campo Grande. Cinco salas comerciais serão construídas nesse mesmo terreno para que o aluguel ajude a custear o condomínio. 

“As lojas serão construídas para pagar as despesas. Tudo foi planejado. Com salário pequeno, o idoso não ia conseguir morar na área central, com tudo perto, e toda essa infraestrutura. Esse é apenas o primeiro projeto; teremos outros”, afirmou o vereador Valdir Gomes.  

Já está sendo planejado um segundo condomínio voltado para aqueles idosos que necessitam de um cuidador, com outro projeto adaptado para essa realidade. No entanto, ainda está sendo escolhida a área para abrigar esse empreendimento.  

O vereador Valdir Gomes agradeceu o prefeito que acatou seu projeto, sancionando e dando continuidade. “É um projeto inédito, de minha autoria, que o prefeito acatou com a Emha, pois requer investimentos. O idoso está sendo valorizado pela atual administração. Queria fazer algo que marcasse a vida do idoso e esse projeto está se tornando realidade”, afirmou.  

Cadastro e obra

Segundo Eneas José de Carvalho Netto, diretor-presidente da Empresa Municipal de Habitação (Emha), o projeto arquitetônico está praticamente pronto e ainda agora em dezembro deve ser encaminhado para a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Público (Sisep), onde serão executados os trâmites para iniciar a obra. A expectativa é que até maio a fase de licitação esteja pronta. “Pretendemos até final da gestão do prefeito Marquinhos Trad, em 2020, estar com o condomínio entregue”, afirmou Eneas Netto. 

A Audiência contou com a participação de vários idosos, os quais inclusive mostraram-se favoráveis a escolha do local para a obra. A Emha e a Secretaria Municipal de Assistência Social cuidarão do cadastramento dos idosos que atendam aos critérios, a exemplo de renda, independência para morar sozinho ou casal idoso. “Vamos convidar todos para acompanharem, com transparência, o dia do sorteio”, afirmou o diretor-presidente da Emha, referindo-se à modalidade utilizada para definir os primeiros moradores.  

Neste modelo de locação social, os imóveis serão ocupados em regime rotativo. Quando a pessoa falecer ou não quiser ficar, outro idoso irá ocupar o apartamento, também com a definição por sorteio. Por isso, a ideia do projeto não é levar a família para morar, mas atender aquele idoso que está morando sozinho ou o casal. 

O valor a ser pago pela locação, segundo Enéas Netto, ainda será definido depois que o Plano Diretor de Campo Grande, já aprovado na Câmara Municipal, for sancionado, atendendo as diretrizes da política de habitação. Em São Paulo, por exemplo, o custo é de 10% do salário que o idoso recebe, além de R$ 35 do condomínio - custo este que, no projeto da Capital, será reduzido pela locação das lojas. 

O vereador Veterinário Francisco, que acompanhou a Audiência, destacou a harmonia da Câmara com o Executivo. “Estamos todos discutindo hoje o bem da população, dos idosos, da saúde”, afirmou. O vereador Carlão parabenizou Valdir pela iniciativa e lembrou a importância de projetos como esse, considerando que temos cada vez mais pessoas na melhor idade. “Temos que pensar em políticas públicas para atendê-los. A Câmara vai dar celeridade a todo projeto para contemplar os idosos”, afirmou.   

A Audiência Pública contou com participação de vários idosos, que aproveitaram a oportunidade para tirar dúvidas sobre o condomínio. 


Voltar


Comente sobre essa publicação...