Semana On

Terça-Feira 20.out.2020

Ano IX - Nº 415

Coluna True Colors

A homofobia da pastora Ana Paula Valadão e a reação de entidades do movimento LGBT

Em vídeo de 2016 que caiu na rede, cantora e pastora evangélica diz que homossexualidade é pecado e que aids é ‘castigo de Deus'

Postado em 16 de Setembro de 2020 - Andréa Martinelli – Huffpost

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Entidade Aliança Nacional LGBTI+ irá processar a pastora evangélica Ana Paula Valadão por LGBTfobia. Neste fim de semana, um vídeo em que Valadão afirma que homossexualidade é pecado e que a aids é um ‘castigo de Deus’ viralizou nas redes sociais e gerou reação de defensores da causa.

Em nota de repúdio, a organização afirma que a religiosa fez declarações discriminatórias que atingem toda a comunidade LGBT, em especial, as pessoas que vivem com HIV/AIDS e que não admite que “a religiosidade seja utilizada como salvo-conduto para propagação do ódio e da desinformação”. 

“O discurso de Ana Paula beira ao absurdo, extrapolando a liberdade religiosa e de expressão, tornando-se um discurso odioso, fanático e amplamente desproposital, com consequências potencialmente desastrosas”, diz o texto. 

A ONG pede uma retratação de Valadão, e afirma que irá processá-la com base na decisão de 2019, do STF (Supremo Tribunal Federal).  Desde junho de 2019, o Supremo decidiu que a LGBTfobia deve ser equiparada ao crime de racismo até que o Congresso Nacional crie uma legislação específica sobre o tema.

A pena é de até 3 anos e o crime é inafiançável e imprescritível, como o racismo. Até então, crimes motivados por orientação sexual ou identidade de gênero não tinham nenhuma tipificação penal específica no Brasil.  

Porém, a fim de preservar a liberdade de crença, ministros entenderam que religiosos não poderão ser punidos por racismo ao manifestarem suas convicções doutrinárias sobre orientação sexual, desde que as manifestações não configurem discurso de ódio.

A entidade LGBT afirma que o caso de Valadão, ainda que seja de 2016, se encaixa na segunda opção. O vídeo que se tornou viral - e está disponível no YouTube - é de uma edição do evento chamado Congresso Diante do Trono que é realizado anualmente e transmitido pela Rede Super de Televisão.

A rede que se intitula “a maior emissora cristã do Brasil” tem sede em Belo Horizonte (MG) e pertence à Igreja Batista da Lagoinha, da qual Valadão é integrante. No vídeo abaixo, a declaração acontece a partir do minuto 56:35:

A nota da Aliança Nacional LGBTI+ também afirma que a fala em questão “se assemelha aos mesmos padrões adotados por Adolf Hitler para desumanizar setores da sociedade”, como Judeus, LGBTs, ciganos e outras identidades perseguidas à época.

A pastora não se manifestou sobre a questão até o momento. O HuffPost enviou um pedido de resposta à Igreja da Lagoinha, mas não obteve resposta.

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil, em comunicado, disse que “se solidariza com as pessoas ofendidas, apoia a nota da Aliança Nacional LGBTI e se junta nas colocações”.

“Estaremos juntos nesta e em outras demandas que ferem a democracia, as leis e a laicidade do Estado Democrático de Direito”, disse.

“Deus criou o homem e a mulher, e é assim que nós cremos”

Na gravação, a pastora afirmou em conversa com um missionário em seu programa que “hoje em dia é preciso explicar o que o termo companheiro” significa, se referindo que nem sempre o termo faz menção a casais gays.

“Hoje a gente tem que explicar o que é companheiro. Não gente, é sério. É engraçado, mas é sério”, disse a pastora. “Tem muitas pessoas, inclusive, novas convertidas que chegam para a igreja ou ligaram na Rede Super [emissora religiosa] agora e estão achando que isso é normal. Gente, isso não é normal. Deus criou o homem e a mulher e é assim que nós cremos. Qualquer outra opção sexual é uma escolha do livre arbítrio do ser humano. E qualquer escolha leva a consequências”, continuou. 

Valadão continuou afirmando que a Bíblia chama qualquer escolha contrária à que Deus determinou como a ideal de pecado, e diz que isso tem uma consequência, que é a morte.

“Inclusive tudo o que é distorcido traz consequência naturalmente. Nem é Deus trazendo uma praga, um juízo. Taí a aids para mostrar que a união sexual entre dois homens traz uma enfermidade que leva à morte e contamina as mulheres.”

Para a pastora, o “sexo seguro que não transmite doença nenhuma” chama-se “aliança do casamento”. “Não é assim? Deus é perfeito em tudo o que ele faz.”

A declaração gerou reação de ativistas e entidades de direitos humanos nas redes sociais e, neste fim de semana, “Ana Paula Valadão” chegou a ficar entre os tópicos mais comentados. 

A apresentadora Xuxa Meneguel foi uma das celebridades que se pronunciou sobre o assunto. Em seu Instagram, ela saiu em defesa da comunidade LGBT.

“Isso não pode ser uma briga ou uma decepção só pra quem é LGBT, não podemos e não devemos tolerar mais preconceito, discriminação e desamor em nome de Deus, quem concorda com essa senhora saiba que é CRIME, e guarde sua falta de amor ao próximo pra vc (sic)”, escreveu a apresentadora.

A postura de Valadão sobre a população LGBT é recorrente na congregação a qual pertence. A comissão da OAB-MG está investigando uma declaração de André Valadão, irmão de Ana Paula, feita no último dia 8 de setembro.

Ao responder uma dúvida nas redes sociais sobre a possível expulsão de um casal homossexual da igreja, o pastor afirmou que “na igreja, não dá” após dizer que “esta prática não condiz com a vida da igreja”

“Tem muitos lugares que gays podem viver sem qualquer forma de constrangimento. Mas na igreja é um lugar para quem quer viver princípios bíblicos. Não é sobre expulsar. É sobre entender o lugar de cada um”, disse.

Dados sobre HIV e doação de sangue por homens gays no País

Ainda em nota, a entidade LGBT cita dados epidemiológicos do Ministério da Saúde e da OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre contaminação por HIV e destaca que “a pandemia do HIV há décadas deixou de ser apenas uma preocupação da comunidade LGBTI+, sendo uma preocupação para qualquer cidadão que mantenha vida afetiva-sexual ativa.”

“É importante lembrar que na atualidade, as pessoas que vivem com HIV e que seguem o tratamento antirretroviral, garantido como direito pelo Estado brasileiro, tornam-se sorologicamente indetectáveis e, portanto, além de gozarem de uma boa qualidade de vida, não mais transmitem o HIV”, diz.

Segundo boletim do Ministério da Saúde, divulgado em dezembro de 2019, os casos de aids, a síndrome causada pelo vírus HIV, estão caindo, assim como as mortes pela doença. Dados da pasta mostram que a maior concentração dos casos no País foi observada nos indivíduos com idade entre 25 e 39 anos, em ambos os sexos. Os casos nessa faixa etária correspondem a 52,4% dos casos do sexo masculino e, entre as mulheres, a 48,4% do total de casos.

Porém, houve aumento da taxa entre jovens de 15 a 19 anos e de 20 a 24 anos, que foram, respectivamente de 62,2% e 94,6% entre 2008 e 2018. Em 2018, a maior taxa de detecção foi de 50,9 casos/100.000 habitantes, que ocorreu entre os indivíduos na faixa etária de 25 a 29 anos, diz o boletim.

O levantamento aponta razões pelas quais o aumento da incidência do HIV se deu, principalmente, entre jovens. Um deles é o esvaziamento de campanhas de prevenção destinadas ao público gay e, também, a perda de financiamento de organizações não governamentais especializadas no tema.

Recentemente, após decisão do STF, a pasta também retirou a restrição a doação de sangue por homens gays no país. 

Portaria do Ministério da Saúde, publicada em 2014, e resolução da Anvisa, de 2016, afirmavam que “indivíduos do sexo masculino que tiveram relações sexuais com outros indivíduos do mesmo sexo e/ou as parceiras sexuais destes” são considerados inaptos à doação pelo período de 12 meses.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...