Semana On

Sexta-Feira 20.set.2019

Ano VIII - Nº 363

Coluna True Colors

Quem é a mulher lésbica para as pesquisas feitas no Google?

Antes, a pornografia tomava a primeira página. Agora, há destaque para uma visibilidade conflitante com valores retrógrados

Postado em 04 de Setembro de 2019 - Giovanna Galvani – Carta Capital

Campanha 'O Corpo é nosso: direitos sexuais e reprodutivos de mulheres lésbicas', da UNFPA, de 2018. Foto: UNFPA Brasil/Weber da Cruz Campanha 'O Corpo é nosso: direitos sexuais e reprodutivos de mulheres lésbicas', da UNFPA, de 2018. Foto: UNFPA Brasil/Weber da Cruz

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Há aproximadamente um mês, digitar a palavra “lésbica” no campo de pesquisa do Google significava ser encaminhada a uma página de vídeos pornográficos. Em julho, porém, o cenário mudou. Após uma campanha encabeçada pela francesa Fanchon Mayaudon-Nehlig, criadora do grupo ativista SEO Lesbianne, hoje o verbete da Wikipedia sobre o termo está em destaque, assim como matérias sobre saúde de mulheres bissexuais e homossexuais e demais discussões de relevância. O que explica uma associação tão distorcida, no entanto, são as raízes de uma objetificação que afeta todas as mulheres.

A socióloga Regina Facchini, que é pesquisadora do movimento LGBT+ no Brasil, afirma que tal apagamento é o motivo pelo qual continua importante afirmar datas, como o mês da visibilidade lésbica, que é celebrado em agosto. Para ela, o mercado sexual encarna um fetiche não existente: de que essas mulheres, de alguma forma, esperam agradar a homens ao se relacionarem.

“A principal visibilidade era essa do estereótipo. Outras coisas sobre a vida dessas mulheres existem. Elas têm trabalho, estudam, têm questões de saúde, situações de violência que podem vir a passar, têm família como qualquer ser humano. Mas não é isso que elas vêm em princípio. Esse é um estereótipo bastante absurdo, porque gira em torno de uma fantasia sexual que não vai ser realizada.”, analisa a pesquisadora.

Pesquisa por “lésbica” no Brasil

Por meio da ferramenta Google Trends, que rastreia quais pesquisas utilizaram determinados termos nos últimos meses, é possível perceber que as dúvidas dos brasileiros dizem respeito a personalidades – como a jogadora Marta e a cantora Ludmilla -, autoconhecimento e declarações políticas. No último caso, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos teve destaque com o vídeo que acusa a Disney de querer colocar a personagem Elsa, de Frozen, como uma “rainha lésbica“.

Se, por um lado, há padrões sexistas e declarações preconceituosas, também pode existir uma espécie de “espelho” para aqueles que enxergam em Marta e Ludmilla os exemplos de mulheres bem sucedidas e assumidas em relação às sexualidades.

A ferramenta mostra que, ao longo dos meses que antecederam a Copa do Mundo Feminina de 2019, realizada na França, o interesse pela palavra também cresceu.

Para Facchini, os picos de audiência também podem significar mera confirmação de fofocas pela internet, mas a mudança estabelecida é importante para permitir que um aspecto da “vida real” das mulheres lésbicas apareça em destaque, ao contrário do que é propagado pela pornografia.

A mudança se insere em uma década difícil para a população LGBT+, apesar de avanços recentes como a criminalização da LGBTfobia no Brasil. A relevância que Damares Alves lançou sobre a personagem animada é uma prova do que está se multiplicando no campo moral. “A gente não pode dizer que a Damares, quando falou da personagem da Disney, estivesse falando de algo positivo”, resume Regina.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...