Semana On

Terça-Feira 25.jul.2017

Ano V - Nº 264

Bonito

Coluna A Arte de ser Viajante

Cuba investe em hotéis de luxo de olho nos turistas norte-americanos

Mais de 4 milhões de turistas visitaram o país em 2016

Postado em 19 de Maio de 2017 - Redação Semana On

Imprimir Enviar por e-mail

No Parque Central de Havana, bancos à sombra atraem tanto turistas com mojitos quanto moradores interessados em bater papo. O ponto de encontro, no centro da cidade, vive cercado de carros coloridos fabricados nos anos 1950. Mas outros veículos começaram a circundar a praça recentemente, carregando equipamentos de construção usados para transformar velhos edifícios locais em hotéis de luxo.

Após o degelo nas relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, o ramo imobiliário cubano aqueceu. O afrouxamento das restrições às empresas privadas, a melhora no relacionamento com os Estados Unidos e a necessidade financeira -o PIB (Produto Interno Bruto) cubano caiu em 2016, de acordo com os números oficiais- alimentaram essas mudanças.

Mas restam obstáculos entre a demanda reprimida e o avanço dos hotéis de luxos na ilha. Isso porque serviços básicos nem sempre são confiáveis, a pobreza generalizada atrapalha e tarefas cotidianas, como obter ingredientes para preparar uma refeição de bom padrão gastronômico, podem se provar complicadas.

Mais de 4 milhões de turistas visitaram o país em 2016, número 13% superior ao do ano anterior, de acordo com o Ministério do Turismo. Entre esses visitantes, 614 mil eram norte-americanos -34% a mais do que em 2015.

Liderando a nova onda de hotéis de luxo está o Gran Hotel Manzana Kempinski La Habana, de 246 quartos, que ocupa uma galeria comercial em estilo europeu de um quarteirão, restaurada recentemente. Do lado oposto do Parque Central fica o hotel Inglaterra, inaugurado em 1875, que teve Winston Churchill como um de seus hóspedes.

Ainda que o governo cubano seja proprietário de todos os hotéis, empresas da hotelaria mundial ajudam a administrar muitos deles. O Manzana, que será inaugurado em junho, tem a gestão dividida entre a rede de hotéis de luxo suíça Kempinski e o Gaviota Group, de Cuba. O Inglaterra será administrado pela Marriott e tem inauguração prevista para dezembro de 2019.

O Manzana tem um passado glorioso. Construída entre 1890 e 1918, a galeria de compras original abrigava lojas de roupas finas, dois teatros, restaurantes, um rinque de patinação e um estande de tiro ao alvo. Depois da revolução, os andares foram ocupados pelo governo, abrigando repartições públicas e escolas.

O hotel tem andares com pé direito de 5,40 metros e uma abundância de espelhos. O projeto enfatiza a história de Havana -caso do Constante Bar, decorado em azul turquesa e dourado e batizado em homenagem ao bartender que atendia o escritor Ernest Hemingway e criou o daiquiri.

Das janelas, frequentadores poderão ver o El Floridita, um dos bares que Hemingway costumava frequentar (e onde o drinque foi criado). Os quartos variam de 40 a 145 metros quadrados e terão diárias de entre US$ 370 e US$ 660 (R$ 1.144 a R$ 2.040).

Com cinco andares, o Manzana tem ainda terraço e piscina no topo. O piso superior tem uma área fitness de 900 metros quadrados com spa.

O objetivo, porém, será evitar que Cuba se transforme em uma nova Cancún, disse o arquiteto e urbanista Miguel Coyula, em referência à cidade mexicana que atrai universitários dos Estados Unidos.

"Cuba é mais do que praia e sol", disse. "A infraestrutura está sob forte pressão. Milhões de turistas à procura de mojitos não ajudarão."


Voltar


Comente sobre essa publicação...