Semana On

Sexta-Feira 20.set.2019

Ano VIII - Nº 364

Coluna A Arte de ser Viajante

Turbulência em voos vai piorar com mudanças climáticas

Estudo mostra como alterações no clima podem causar grandes variações nas correntes de vento na região onde aviões mais circulam

Postado em 14 de Agosto de 2019 - Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O céu está claro e não há nada que possa alertar os pilotos. Ocorre um fenômeno meteorológico conhecido como windshear, uma repentina e rápida variação na corrente no vento, que causa turbulência e assusta os passageiros. Esse cenário pode ficar cada vez menos raro, e isso devido às mudanças climáticas, apontam meteorologistas britânicos em um estudo publicado na revista Nature.

Os pesquisadores usaram informações captadas por satélites ao longo de 39 anos e identificaram mudanças no vento vertical em grandes altitudes no Atlântico Norte, que é a região oceânica sob a qual percorrem mais aviões no mundo.

Os metereologistas dizem que isso pode afetar a aviação, já que, em média, cerca de 3 mil voos ocorrem diariamente no Atlântico Norte. O que contribui com a turbulência são correntes de ar causadas pela diferença de temperatura entre o Equador e o polo Norte.

Os pesquisadores descobriram que em altitudes maiores no polo Norte, como na estratosfera (região a 50 km de altitude), as temperaturas têm caído em decorrência das mudanças climáticas no Ártico. Por outro lado, no Equador, na região da troposfera (até os 18 km de altitude), há médias de temperatura mais altas, causando um forte contraste, responsável pela variação na corrente de ar.

Como os aviões percorrem a região que fica entre a troposfera e a estratosfera, os meteorologistas acreditam que há mais variação na corrente de vento nessa zona de transição. Com base em um estudo anterior, os pesquisadores notaram que, desde 1979, houve 15% de aumento no windshear em altitudes um pouco maiores que 10 km.

“Se a corrente de vento diminui na atmosfera mais baixa [troposfera], mas permanece inalterada na atmosfera mais alta [estratosfera], então o efeito windshear até a a atmosfera alta é aumentado”, explicou ao jornal The Washington Post um dos autores do estudo, Paul D. Williams.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Silvio Andrade

Silvio Andrade

Jornalista e editor do site Lugares.


Saiba mais sobre Silvio Andrade...