Semana On

Terça-Feira 12.dez.2017

Ano V - Nº 283

Governo agetran

Coluna Marco Eusébio Online

Delegado da Lava Jato deve comandar a Polícia Federal em Mato Grosso do Sul

As notícias que fizeram a semana política em Mato Grosso do Sul

Postado em 01 de Dezembro de 2017 - Marco Eusébio

O delegado Luciano Flores, ex-integrante da Lava Jato, deverá assumir o cargo de superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, conforme Matheus Leitão em blog no G1. "Luciano participou da condução coercitiva e do interrogatório do ex-presidente Lula em março de 2016. Depois de sair da equipe da Lava Jato, ele atuou na superintendência do Espírito Santo", diz Leitão.

Schimidt volta a comandar o PDT em MS

João Leite Schimidt volta a ser o presidente regional do PDT e vai conduzir o partido nas eleições de 2018 em Mato Grosso do Sul. A chapa de consenso planejada pelo deputado federal Dagoberto Nogueira, que abriu mão da presidência e agora é vice  visando se licenciar para sua campanha de reeleição à Câmara, foi eleita nesta manhã, em ato no Grand Park hotel em Campo Grande, com participação do juiz aposentado e pré-candidato da sigla ao Governo de MS Odilon de Oliveira.

Veja como ficou a nova diretoria executiva estadual do partido: Presidente - João Leite Schimidt 1º vice-presidente - Dagoberto Nogueira Filho 2º vice-presidente - Antonio Carlos Biffi Secretário - Sérgio Roberto Castilho Vieira 1º secretário - Paulo Roberto Duarte Tesoureiro - Carlos Gustavo de Almeida Brum 1º tesoureiro - Marlene Alves Nogueira Rondon Consultor Jurídico - Yves Drosghic Vogais - Jamilson Name e Odilon de Oliveira Júnior Secretária dos Movimentos Sociais - Kelly Cristina Secretária da Ação da Mulher Trabalhista - Madalena Pereira da Silva Secretária de Assuntos Institucionais - Lecádia Aglê Petry

Bancada do PDT sob risco de extinção

A bancada do PDT na Assembleia Legislativa de MS pode ser extinta, caso o partido resolva expulsar seu único deputado, George Takimoto, que contrariou recomendação da sigla e votou em favor da Reforma da Previdência dos servidores estaduais proposta pelo governo Azambuja e aprovada na semana passada.

"Dagoberto pediu para não votar a favor da reforma mas ele não impôs nada", disse o médico de Dourados ao Correio do Estado. Takimoto declarou ainda ao jornal que não pretende deixar o PDT, mas, se for expulso, sairá de "consciência tranquila" e afirmou ter convites do PMDB, PR, PHS e DEM. Takimoto disse ainda ao diário que Nelsinho Trad pediu para ele ir para o PSD, partido do irmão dele, o prefeito de Campo Grande, Marcos Trad. “Mas isso ocorreu antes da votação da reforma da Previdência. Agora não sei se eles vão me querer ainda”, acrescentou.

No PDT, não há nada, por enquanto, neste sentido. "Tem que ver se vão pedir a expulsão. Até agora não tem nada. Se pedirem, vai para a comissão de ética analisar. Alguém tem que formalizar o pedido", explicou.

O deputado federal Dagoberto Nogueira disse que integrantes do PDT devem protocolar o pedido de expulsão de Takimoto. "Membros do partido já avisaram que vão protocolar o pedido. Para que ele tenha amplo direito de defesa, vamos encaminhar o caso ao conselho de ética, que vai deliberar sobre o assunto, seguindo os trâmites legais", afirmou. "Na primeira votação ele seguiu nossa recomendação e se ausentou da sessão, agindo em favor do movimento dos servidores. Na segunda, reforcei nosso apelo, mas ele justificou em documento enviado a mim que se não votasse favorável ao governo ia ter dificuldade para mantar o sistema funcionando".

Deputado de MS quer proibir ingresso de menores em eventos de arte 'impróprios'

Projeto que proíbe o ingresso de menores de 18 anos em eventos de arte considerados impróprios a crianças e adolescentes, mesmo acompanhado dos pais ou responsáveis, sob pena de multa de até 20 salários mínimos, foi apresentando na Câmara pelo deputado federal Elizeu Dionízio (PSDB-MS). O integrante da bancada evangélica diz que a intenção é "evitar a repetição de cenas nas quais crianças tiveram acesso a exposições com conteúdo sexual" no Brasil. "Temos o dever de gerar legislações que, ao mesmo tempo garantam a liberdade de expressão artística e protejam crianças e adolescentes da exposição a conteúdos ofensivos" afirma Dionízio. Em nota à imprensa, o sul-mato-grossense salienta que o projeto "exalta os melhores valores famíliares", e frisa: "não oferecemos a censura, e sim proteção, mantendo-os a salvo de eventuais conteúdos ofensivos".

Lei do Pantanal avança no Senado

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) aprovou ontem relatório do senador Pedro Chaves (PSC-MS) que institui a Lei do Pantanal e o Fundo do Pantanal, de autoria do senador Pedro. A lei estabelece princípios legais para limitar a interferência humana no bioma Pantanal, de maneira a garantir que o desenvolvimento de atividades econômicas na região não resulte em degradação ambiental. O fundo visa apoiar financeiramente os projetos de preservação na região, estimulando investimentos de controle, monitoramento e fiscalização ambiental. "É uma espécie de troca, do tipo protege-recebe. Haverá estímulo remuneratório para a conservação e preservação do Pantanal", disse Chaves. De autoria do senador licenciado como ministro Blairo Maggi (MT), a proposta ainda será examinada com caráter terminativo pela Comissão de Meio Ambiente (CMA).

Projeto clonado de cidade paulista será retirado da Câmara de Campo Grande

Prestes a concluir seu primeiro ano como vereador em Campo Grande, o médico Wilson Sami, que assumiu o mandato com a ida do colega Paulo Siufi (ambos do PMDB) para a Assembleia, virou notícia hoje por um projeto que, embora assinado por ele, que não é de sua autoria. A proposta publicada no site da Câmara obriga a comemoração dos dias dos Pais e das Mães "nas escolas da rede de ensino de Presidente Venceslau", cidade do interior paulista de onde o texto foi copiado e nem ao menos corrigido. Questionado pelo site Campo Grande News, Sami disse que retirou a matéria de pauta porque pensou melhor e avaliou que existem crianças que não têm pai, e alegou que o texto nem deveria ter entrado no site da Câmara. "Alguém colocou lá", justificou.

A caminho do PMDB, Waldeli é convidado por Bernal a disputar o governo pelo PP

Em Costa Rica, o prefeito Waldeli dos Santos Rosa recebeu a visita do e presidente regional do PP Alcides Bernal que o convidou ontem a se filiar ao seu partido para disputar a sucessão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) em 2018. "Agradeço ao ex-prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, pela visita em nosso município e pelo convite para me filiar no partido" escreveu o anfitrião, ao postar a foto acima no Facebook. Embora grato, Waldeli confirmou ao Blog: vai se filiar no PMDB na convenção prevista para este sábado (2) em Campo Grande.

TRE-MS alerta sobre falsa mensagem para eleitores que circula via WhatsApp

A Justiça Eleitoral avisa: é falsa a mensagem de áudio e texto que circula via WhatsApp informando que o prazo para cadastramento biométrico dos eleitores vai terminar no dia 7 de dezembro deste ano e quem não comparecer será multado em R$ 150. Conforme o TRE-MS, em Mato Grosso do Sul o cadastramento só é obrigatório em Campo Grande e o prazo termina no dia 18 de março de 2018. Embora não tenha de pagar multa, quem não se cadastrar terá o título de eleitor cancelado. Nos demais municípios de MS, o cadastramento está disponível, mas é facultativo.

Expectativa é de que Marun vire ministro em dezembro, conforme O Globo

Carlos Marun vai virar ministro chefe da Secretaria de Governo, ou não? O Globo avalia que isso deve ocorrer na primeira quinzena de dezembro. O jornal divulgou que a "demissão virtual" do ministro Antonio Imbassahy pelo perfil oficial do Planalto no Twitter, que chegou a anunciar a posse de Marun na quarta-feira, teria irritado tucanos governistas que ameaçaram retirar o apoio à Reforma da Previdência de Temer, o que teria levado o governo a adiar a posse de Marun. "O mais provável é que o tucano permaneça no cargo até pelo menos o dia da convenção do PSDB, marcada para 9 de dezembro" noticiou o jornal, frisando que o governo não confirma a data. Consultado, Marun disse ao O Globo que cabe ao presidente Michel Temer decidir se será ministro e, se for o caso, quando isso irá ocorrer. "Vou acompanhar e continuar desempenhando minhas funções de deputado", afirmou.


Voltar


Colunista

Marco Eusébio

Marco Eusébio

Jornalista, blogueiro e analista político.


Saiba mais sobre Marco Eusébio...

Comente sobre essa publicação...