Semana On

Sábado 21.out.2017

Ano V - Nº 276

Coluna do Marco Eusébio

Coluna Marco Eusébio Online

Marun confirma que Waldeli será opção do PMDB para 2018

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 06 de Outubro de 2017 - Marco Eusébio

O deputado federal Carlos Marun confirmou, após reunião da executiva do PMDB na Capital, o que foi antecipado por este colunista no início do ano: o prefeito de Costa Rica Waldeli dos Santos Rosa (PR) vai se filiar ao partido e se tornará uma das opções do PMDB para disputar o governo de Mato Grosso do Sul em 2018 caso o "número um", o ex-governador André Puccinelli, não queria voltar a ser candidato. "Waldeli vem como uma das opções, mas não com a condição de ser candidato", afirmou (tentando aliviar o foco de adversários ao já considerado "número dois") Marun.

Juiz de MS bloqueia R$ 115 milhões da JBS

O juiz Alexandre Antunes da Silva, de Campo Grande, expediu liminar bloqueando R$ 115,9 milhões da JBS – em dinheiro ou outros bens – a pedido da CPI da Assembleia que investiga irregularidades em acordos de benefícios fiscais concedidos ao grupo. A medida visa reaver prejuízos aos cofres públicos, por descumprimento pela JBS do termo de acordo de regime especial (Tare) nº 1103/2016 firmado com o governo Azambuja, com pelo menos R$ 99 milhões de incentivos. "Em vez de comprar materiais novos, ela (JBS) fez nota dela para ela mesma. Eles transferiram do Marabá, no Pará, para o nosso Estado. Mas, para isso, precisavam de seis carretas para transportar o material. Esse transporte teria de passar por postos fiscais, mas não tem nenhum carimbo. Isso prova que há alguma coisa errada”, explicou em agosto o presidente da CPI, deputado Paulo Correa (PR). Somando outros Tares em análise pela CPI o valor de ressarcimento pode ultrapassar R$ 1 bilhão.

Juiz Odilon decreta prisão de Battisti no último dia antes de sua aposentadoria

Em seu último dia como titular da 3ª Vara Federal de Campo Grande, após conseguir sua aposentadoria e estar cotado por partidos políticos para disputar as eleições de 2018, o juiz federal Odilon de Oliveira decretou a prisão preventiva de Cesare Battisti. O italiano foi detido ontem em Corumbá, tentando cruzar a fronteira com a Bolívia com 6 mil dólares e 1,3 mil euros, e prestou depoimento hoje ao juiz por videoconferência da sala do Fórum Federal na cidade fronteiriça. Alegou que ia a uma pescaria e comprar roupas de couro no país vizinho, mas não convenceu. O juiz considerou ter havido tentativa de fuga. O ex-ativista do grupo italiano Proletários Armados para o Comunismo (PAC), condenado à prisão perpétua na Itália em 1993 acusado de quatro assassinatos nos anos 70, estava no Brasil como refugiado político, condição concedida a ele pelo governo Lula em 2009. Para Odilon, Battisti queria fugir porque a Itália voltou a pedir sua extradição ao Supremo Tribunal Federal. A defesa do italiano promete recorrer contra a prisão.

Bate-boca de Marun e Delgado na sessão que aprovou fundo eleitoral: 'seu merda!'

A criação do fundo para financiar campanhas eleitorais com dinheiro público que pode chegar a R$ 1,7 bilhão em 2018 foi aprovada pela Câmara ontem de forma simbólica, sem registro de votos no painel eletrônico, o que provocou protesto no plenário. O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), favorável à votação nominal, bateu-boca com o deputado Carlos Marun (PMDB) em meio a empurrões e gritaria em plenário. Júlio Delgado gritava com Hildo Rocha (PMDB-MA) que defendia o fundo. Marun tentou acalmar Delgado, que continuou a gritar e avançar de dedo em riste e punhos cerrados em direção aos adversários. Foi aí que os dois se desentenderam e trocaram gritos, empurrões e ofensas. "Seu merda! Seu merda!", gritou Marun, enquanto colegas tentavam afastá-lo de Delgado.

Bancada federal destrava R$ 5 milhões para PRF comprar viaturas em MS

Senadores e deputados da bancada federal de Mato Grosso do Sul fecharam acordo para liberação de R$ 5 milhões do governo federal para a compra de viaturas pela Superintendência da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no estado. Neste sentido, o coordenador da bancada, senador Waldemir Moka (PMDB), e o superintendente da PRF Luiz Alexandre Gomes da Silva, reuniram-se em Brasília ontem para elaborar documento encaminhado ao ministro Torquato Jardim (Justiça) solicitando o cancelamento de emenda de bancada, de R$ 5 milhões. Com isso, o ministério poderá buscar a verba em outra rubrica, de caráter nacional, sem carimbo para esse ou aquele estado, conforme entendimento prévio entre bancada, a PRF e o ministro.

MP pede ao governo para retomar área cedida à Acrissul em Campo Grande

O promotor Marcos Alex Vera de Oliveira recomendou ao governador Reinaldo Azambuja que retome uma área de 24 hectares cedida pelo governo em 2013 à Associação dos Criadores de MS (Acrissul) na saída para Três Lagoas, em Campo Grande, na gestão do ex-governador André Puccinelli. Conforme o MP, o convênio expirou e o local que seria destinado a um programa de equoterapia em parceria com a UCDB não foi usado. Marcos Alex diz ainda que poucos meses antes do acordo, o então presidente da Acrissul, Chico Maia, "adquiriu imóvel particular lindeiro, o que potencialmente lhe conferiu ganhos pessoais decorrentes de valorização imobiliária". Consultado, Maia disse ao jornal Correio do Estado que o caso já teria sido investigado pelo MP e arquivado e que vai se informar sobre o assunto. "Mas não sei aonde ganharia com valorização, pois tenho propriedade na região há 40 anos, e ela sempre teve seu valor, além de ser muito grande para ser valorizada por uma área bem menor", afirmou. "Até onde eu sei, as áreas estão sendo usadas pelo Clube do Laço e também pela Federação de Polo de MS. Estruturas já foram feitas, inclusive um campo para prática da modalidade", acrescentou o ex-presidente da Acrissul.

'Fura fila' na Corte

Conversa entreouvida em corredor forense de Campo Grande diz que os problemas enfrentados pela desembargadora presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Tânia Borges, seriam atiçados pelo chamado "fogo amigo". Um causídico explicava ao colega: "É que, pela tradição, quem preside o TRE-MS será o próximo presidente do Tribunal de Justiça. E tem gente querendo furar a fila."

Bolsonaro grava vídeo com mensagem de apoio a fazendeiros presos em MS

"Hoje eu quero me dirigir ao pessoal de Mato Grosso do Sul, estado onde eu morei por três anos na cidade de Nioaque. Chegou ao meu conhecido que cinco produtores rurais, aí no estado, estão presos por defenderem as suas terras (...) Aos irmãos nossos de Mato Grosso do Sul, esses cinco fazendeiros que estão aí: o que eu puder fazer por vocês eu faço. Reconheço o trabalho de vocês pela propriedade privada", diz o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) em vídeo com mensagem de apoio aos fazendeiros de MS que tiveram prisão preventiva mantida pelo Supremo na semana passada, acusados de envolvimento em ataque a indígenas na fazenda Yvu, em Caarapó, em julho de 2016, quando um índio morreu e oito ficaram feridos. Contra a decisão do STF, o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antônio Nabhan Garcia, está convocando um protesto para o dia 16 deste mês em frente à Famasul, em Campo Grande. Veja o vídeo enviado por Bolsonaro ao deputado estadual Coronel David.

Site internacional denuncia ONG de MS e Zeca do PT levará o caso a Brasília

O deputado federal Zeca do PT vai se pronunciar na Câmara na terça-feira e fará representação ao Ministério Público Federal (MPF) em Brasília sobre notícia veiculada neste fim de semana na versão brasileira do site internacional The Intercept reportando que "a Missão Evangélica Caiuá, sediada na zona rural de Dourados (MS) tornou-se dona da saúde indígena no Brasil, recebendo mais de R$ 2 bilhões do governo federal entre 2012 e 2017" por meio de "convênios bilionários mantidos à custa de influência política". A notícia aponta o senador Romero Jucá (PMDB-RR) como "o grande padrinho político da Caiuá". O site dos EUA, tem como editor Glenn Greenwald, jornalista que iniciou a publicação de documentos sobre programas de vigilância global pela Agência de Segurança Nacional (NSA) e a CIA. Leia aqui a íntegra no The Intercept Brasil e ouça abaixo o que disse o ex-governador Zeca ao Blog.

Bernal diz ser alvo de 'perseguição implacável' e fala em deixar a política

"Talvez eu deixe a política, pois a perseguição é desmedida e implacável. O que me dá força são a fé em Deus e o incentivo do povo", declarou o ex-prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), depois de ter de R$ 2.568.000 de seus bens bloqueados pelo juiz Alexandre Antunes da Silva, a pedido do Ministério Público Estadual (MPE), por meio do promotor Marcos Alex Vera, em ação que apura suposto enriquecimento ilícito na compra de apartamento em 2013, três meses depois de assumir o cargo. "Nesse caso eu me endividei por 25 anos e não enriqueci", disse Bernal.


Voltar


Colunista

Marco Eusébio

Marco Eusébio

Jornalista, blogueiro e analista político.


Saiba mais sobre Marco Eusébio...

Comente sobre essa publicação...