Semana On

Segunda-Feira 01.jun.2020

Ano VIII - Nº 395

Coluna Marco Eusébio Online

Bate-boca de vereadores esquenta o clima em sessão da Câmara em Campo Grande

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 21 de Maio de 2020 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em Campo Grande, a sessão da Câmara foi marcada por um bate-boca travado pelos vereadores André Salineiro (Avante) e Chiquinho Teles (PSD). Líder do prefeito na Casa, Telles usou a tribuna para questionar requerimento de Salineiro, que estava em votação, pedindo à Fundação Social do Trabalho (Funsat) a lista completa de beneficiários em nome da transparência do Programa de Inclusão Profissional (Proinc).

"Esse é pedido eleitoreiro e politiqueiro, querer colocar em dúvida o trabalho do prefeito", disparou Telles, questionando o motivo de Salinero pedir as mesmas informações já solicitadas por seu colega de bancada Jeremias Flores (Avante).

Ao usar a tribuna, Salineiro rebateu: "Não vou descer ao nível do vereador Chiquinho Telles, pela sua posição de líder de governo, às vezes tem que se sujeitar a coisas que eu, como homem, não me sujeitaria".

Do plenário, Chiquinho gritava: "É um moleque (...) é vergonha pessoa votar em você da forma como o senhor se comporta".

O vereador Carlão (PSB), que presidia a sessão, mandou cortar o som até que os ânimos fossem acalmados.

Retomada a sessão, Salinero emendou: "É muito fácil gritar de longe, queria ver gritar aqui, frente a frente comigo".

A confusão recomeçou, com o líder do prefeito dizendo que estava sendo ameaçado. Carlão voltou a interromper a sessão. Depois do embate verbal, o requerimento de Salineiro foi negado por 13 votos a 12. Veja aqui o vídeo no site Campo Grande News.

Trutis lança vereador Vinícius Siqueira para prefeito de Campo Grande pelo PSL

Embora o deputado estadual Capitão Contar tenha anunciado desde o ano passado sua pré-candidatura pelo PSL, o partido agora tem mais um pré-candidato à Prefeitura de Campo Grande. O presidente municipal da sigla, deputado federal Loester Trutis, lançou no Facebook a pré-candidatura do vereador Vinícius Siqueira, que recentemente ingressou na sigla. "Dos movimentos de rua do fora Dilma, ações para impedir Lula de virar ministro e não ser preso, sendo o vereador que mais investigou e ajuizou ações contra a corrupção e desperdício de dinheiro público no MS. Hoje, ao meu ver, o único capaz de derrotar a velha política familiar e resgatar Campo Grande. Juntos, vamos seguir trabalhando", escreveu Trutis na rede social.

'Justa decisão' diz Capitão Contar sobre nova pré-candidatura do PSL na Capital

Depois de o deputado federal e presidente municipal do PSL, Loster Trutis a pré-candidatura do vereador Vinícius Siqueira à Prefeitura de Campo Grande, o deputado estadual Capitão Contar, que se anunciava pré-candidato, postou na rede social a pouco: "Justa e merecida decisão do PSL em definir o pré-candidato à Prefeitura da capital! Embora meu nome já fosse comentado nos bastidores e despontado em pesquisas, não seria ético nem coerente ocupar essa vaga, estando alinhada a minha saída do partido com o Presidente Bolsonaro". Contar, entretanto, não cita nem o nome de Vinícius ou de Trutis na publicação. Leia a íntegra abaixo.

Assembleia aprova 14% de desconto da previdência de todos servidores de MS

Foi aprovado or 16 votos a 7 na Assembleia em segunda votação, e segue à sanção do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), o projeto do Executivo que unifica em 14% a partir de 2021 a alíquota de desconto para a previdência dos servidores estaduais de Mato Grosso do Sul. A mudança inclui nesse índice único os que ganham hoje até o teto do INSS de R$ 6,1 mil e têm desconto de 11% e os aposentados, que são isentos. O governo diz que com isso segue o que determina a reforma da Previdência nacional aprovada pelo Congresso que prevê alíquotas de 14% a 22%, e optou pelo menor índice.

O placar que foi de 14 votos a oito ontem (veja aqui), se alterou nesta quinta-feira após cinco deputados mudarem o voto: Lídio Lopes (Patriota), Rinaldo Modesto (PSDB) e Coronel David (sem partido) que haviam votado contra, e Renato Câmara (MDB), que se absteve, hoje votaram a favor. Marçal Filho (PSDB) que votou a favor ontem, hoje votou contra.

Consultado, o Coronel David disse ao Blog que assinou na véspera a emenda coletiva de Herculano Borges (SD) que adiou de 1º de setembro para o ano que vem a entrada em vigor da proposta. "Não podia votar contra algo que ajudei a mudar. E também acompanhei o posicionamento da bancada de deputados federais leais ao presidente Bolsonaro que também votaram sim na votação da Emenda Constitucional 103, em cima da qual foi feita a lei complementar que reformou a previdência aqui no Estado", afirmou David.

Na votação desta quinta-feira, além de David, votaram a favor Antônio Vaz (Republicanos), Eduardo Rocha, Márcio Fernandes e Renato Câmara (do MDB), Evander Vendramini e Gerson Claro (do Progressistas), Herculano Borges e Lucas de Lima (do SD), Jamilson Name (sem partido); Lídio Lopes (Patriota), Londres Machado (PSD), Neno Razuk (PTB), Onevan de Matos e Rinaldo Modesto (do PSDB) e Zé Teixeira (DEM). Votaram contra Capitão Contar (PSL), Felipe Orro e Marçao Filho (do PSDB), Barbosinha (DEM), Cabo Almi e Pedro Kemp (do PT), João Henrique Catan (PL).

Ex-prefeita de Campo Grande é condenada por injúria racial

A ex-prefeita e ex-vereadora de Campo Grande, Nelly Bacha, de 79 anos, foi condenada a um ano de reclusão, mas teve a pena revertida para pagamento de um salário mínimo a instituição de caridade, por injuria racial, por episódio ocorrido em outubro de 2013 quando afirmou a uma funcionária de um supermercado na cidade, em relação a uma mulher que estava na fila do açougue: "Entre na frente dessa preta que eu tenho mais o que fazer! Preto nasceu para me servir". A decisão do juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal, foi publicada hoje no Diário da Justiça de MS. A pedido da defesa que alegou a idade avançada da cliente que sofre do Mal de Parkinson e é ré primária, a a pena foi convertida ao pagamento de um salário mínimo a instituição de caridade. Nelly Bacha era presidente da Câmara e, por isso comandou interinamente prefeitura da Capital por dois meses em 1983.

Nelsinho fala do risco de o Brasil ficar no fim da fila de vacina contra Covid: vídeo

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) disse na sessão por videoconferência do Senado que, como presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) da Casa, está "sendo cobrado" sobre as notícias divulgadas nesta semana informando do risco de o Brasil ser o último da fila para receber uma vacina contra a Covid-19, após nem ter sido convidado para a "Colaboração Global para Acelerar o Desenvolvimento, Produção e Acesso Equitativo a diagnósticos, tratamento e vacina contra o covid-19" que desde abril une governos de vários países em abril para juntar forças contra o vírus, por causa de críticas do presidente Jair Bolsonaro à Organização Mundial de Saúde (OMS). Como as comissões não estão funcionando no Senado, Nelsinho afirmou que não pode convocar os ministros a Saúde e da Ciência e Tecnologia para explicar porque o Brasil está fora dessa ação internacional. "O mundo vai acabar descobrindo uma vacina, uma quebra de patente, um remédio, e o Brasil tá fora desse contexto", alertou. Veja o vídeo.

'Minha missão é com o presidente', diz ministra sobre sair ou não do governo

Indagada pelo Jornal da Record sobre rumores de sua possível saída do governo desde a exoneração de seu colega de partido, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, a ministra da Agricultura e deputada federal licenciada do DEM, Tereza Cristina, afirmou: "A minha missão no agro é com o presidente Jair Bolsonaro. Eu trabalho com ele desde o primeiro momento, sou leal a ele. Trabalho dentro do que os setores me pedem e dentro do que é possível fazer. Nunca houve por parte do presidente nenhuma conversa que pudesse me levar a achar que haveria uma substituição. Mas como eu sempre digo, é dele o cargo. Enquanto ele achar que o meu trabalho é bom, né, e que nós temos uma parceria, eu tô aqui pra ajudar o agronegócio brasileiro, pra ajudá-lo, principalmente pra superar esse momento difícil". Na entrevista de estreia da Live JR na noite anterior, a ministra também falou dos reflexos da pandemia de Covid-19 no agronegócio mundial, os recordes brasileiros em exportações e das relações comerciais com a China. Veja o vídeo.

Achismo não

'Achismo em ciência é o pior caminho': veja a entrevista completa de Mandetta ao SBT
"Achismo em ciência é o pior caminho. Eu vejo alguns gestores experientes, alguns fazendo propagandas: 'eu acho isso, eu acho isso, na minha experiência...' A minha experiência não vale nada, eu não acho nada, é uma doença nova. Nós estamos aprendendo. E até agora o vírus tem ganhado da gente de goleada. Então nós precisamos ter humildade, saber que sabemos muito pouco. Nós não somos donos da verdade" disse Luiz Henrique Mandetta a Roberto Cabrini no programa Conexão Repórter.

Na entrevista, Cabrini tentou fazer o ex-ministro da Saúde confrontar as posições do presidente, mas Mandetta evitou fazer críticas a Jair Bolsonaro. Ponderou que, politicamente, saúde é um tema atribuído aos prefeitos, segurança pública é cobrada dos governadores e que a cobrança feita a um presidente da República é sobre a performance da economia do país e a geração de empregos. Quem viu apenas trechos da entrevista na noite anterior exibidos no SBT, veja o vídeo completo abaixo no canal do Conexão Repórter no YouTube.

 André fala sobre eleições

Indagado sobre eleições, André Puccinelli (MDB) afirmou em entrevista publicada pelo jornal O Estado, de Campo Grande, que a disputa pela Prefeitura da Capital "deverá ter de 10 a 15 candidatos" e que "seguramente" vai para o segundo turno. Sobre como avalia a gestão do prefeito Marquinhos Trad (PSD), resumiu: "Razoável. Eu acho que ele está fazendo um trabalho razoável."

O ex-governador também foi questionado se pretende ser candidato em 2022, e respondeu: "2022 está tão longe, e eu já tenho 71 anos. Vamos deixar pra lá… Eu já não quis ser candidato ao Senado naquela época porque eu julgava que tinha cumprido um ciclo político em Mato Grosso do Sul. Se fiz pouco ou se fiz muito, cabe à população julgar. Ficaram me cutucando, dizendo inverdades sobre mim, me injustiçaram... Então, me tornei candidato ao governo. Levei quatro meses trabalhando por todo MS, rememorando o que fizemos aos municípios, e quando eu passei nas pesquisas de intenções de voto veio a prisão. Sem denúncia formalizada. Quero frisar isto: a denúncia só foi apresentada 30 dias depois da prisão".

Para Puccinelli, Bolsonaro é 'uma pessoa correta', mas 'solta a língua demais'

Na entrevista ao jornal O Estado, André Puccinelli respondeu ao seguinte questionamento: "Bolsonaro é mito ou 'Bozo'?" O ex-governador disse: "Pra uns é Bozo e para outros é mito [risos]. Para mim é um presidente que tinha de falar menos e fazer mais. Ele é uma pessoa correta. Ele não é corrupto, mas de vez enquanto ele solta a língua demais. E tinha de ser verdadeiro pai, aquele que manda na família, que quando os filhos estiverem errados poder dizer: 'Filhos, fiquem quietos'."


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Marco Eusébio

Marco Eusébio

Jornalista, blogueiro e analista político.


Saiba mais sobre Marco Eusébio...