Semana On

Segunda-Feira 22.jul.2019

Ano VII - Nº 356

Coluna Marco Eusébio Online

Alcides Bernal se afasta da presidência do PP e da 'vida pública partidária'

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 19 de Junho de 2019 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Alcides Bernal anunciou no Facebook que está se licenciado da presidência estadual do PP (atual Progressistas) e da vida "pública partidária". Com sua licença, o deputado estadual Evander Vendradimi, vice-presidente, deve assumir o comando da sigla até a convenção prevista para agosto. "Estou me afastando da vida pública partidária. Licenciando-me para que o deputado Evander possa exercer a presidência do PP", escreveu o ex-prefeito de Campo Grande.

Simone articula para que Senado vote rapidamente posse de armas em área rural

Moradores da zona rural poderão ser autorizados a adquirir armas para garantir a segurança de suas famílias e propriedades. Após o Senado rejeitar o decreto das armas de Jair Bolsonaro, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) pediu ao presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que paute o mais rápido possível projeto neste sentido que já está pronto para ser votado em plenário. O PSL 224/2017 prevê para morador de zona rural as mesmas exigências feitas para caçador de subsistência, como comprovante de moradia e atestado de bons antecedentes, mas reduz a idade mínima de 25 para 21 anos. O ex-senador goiano Wilder Morais, autor da proposta, justificou que residentes de áreas rurais muitas vezes estão distantes de um posto policial, sem condições de defesa, "à mercê do ataque de criminosos ou, até mesmo, de animais silvestres". Simone diz que propostas sobre porte e posse de armas de fogo devem ser debatidas no Congresso por meio de projetos de lei, e não por meio de decreto presidencial. Ela afirma que se a Câmara confirmar a derrubada do decreto, o presidente poderá enviar ao Congresso um projeto de lei com pedido de urgência, que poderá ser deliberado dentro de 60 dias, por meio de audiências públicas para ouvir a sociedade antes de decidir a favor ou contra a liberação das armas.

Em Brasília, presidente da OAB-MS defende porte de armas para advogados

O presidente da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Mansour Karmouche, foi expositor do tema "A isonomia entre advogados e membros da Magistratura e do Ministério Público pelo ângulo do porte de arma" durante reunião dos presidentes das 27 seccionais da OAB, na sede no Conselho Federal em Brasília. O projeto visa alterar o Estatuto da Advocacia, para que advogados tenham direito ao porte de arma concedido a juízes e promotores de justiça, uma das propostas de Mansour ao se reeleger presidente da OAB-MS no ano passado. "O porte de armas para o advogado é uma necessidade, pois constantemente o profissional da advocacia corre risco de morte no exercício da profissão" disse Karmouche hoje ao Blog. "Lutamos pela isonomia do direito ao porte de armas para advocacia em assimetria com as demais categorias do sistema de justiça", acrescentou o advogado.

Marun fala de exportações com Mourão

Carlos Marun foi recebido pelo vice-presidente Hamilton Mourão. "Levei a ele o assunto da aquisição de máquinas agrícolas brasileiras pela Nigéria e por outros países africanos", disse o ex-ministro da Secretaria de Governo. Em dezembro, quando ainda estava no governo, Marun participou na Arábia Saudita de assinatura de acordo no Banco Islâmico que ficou como avalista para garantir o pagamento do financiamento do BNDES à exportação desses equipamentos à Nigéria, orçados em 361 milhões de euros. Conforme o ex-ministro, o banco também se dispôs a avalizar todos os projetos de países islâmicos interessados em adquirir equipamentos que incrementem a produção de alimentos. "O general foi extremamente simpático a mim e ao assunto", disse Marun.

Prefeitos pedem apoio da Assembleia para atender indígenas e quilombolas em MS

Em dificuldades para atender comunidades indígenas e quilombolas e manter os cuidados básicos dessas populações, onze prefeitos de Mato Grosso do Sul foram recebidos em Campo Grande pelo presidente da Assembleia, Paulo Corrêa (PSDB), que se comprometeu a marcar uma reunião do grupo com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, quando também vão pedir apoio sobre a regularização fundiária de assentamentos rurais. Liderada pelo prefeito Valdir Júnior, de Nioaque, a comitiva inclui os prefeitos Ricardo Fávaro Neto, de Itaquiraí; Donizete Barraco, de Terenos; Marcelo Ascoli, de Sidrolândia; Reinaldo Pitti, de Bela Vista; Marcelo Iunes, de Corumbá; Dr. Bandeira, de Amambai; Andre Nezi, de de Caarapó; Derlei Delevatti, de Porto Murtinho; Jair Scampini, de Guia Lopes da Laguna; e Adilsom Souza, de Dois Irmãos do Buriti.

Governo reduz imposto sobre combustível de aviação para atrair novos voos a MS

Decreto assinado pelo governador Reinaldo Azambuja institui o programa "Decola MS" que reduz o ICMS do querosene de aviação para empresas aéreas que ampliarem as linhas em Mato Grosso do Sul. Convalidada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), a medida reduz alíquota atual de 17% para 12% a 1,41% dependendo do número de voos operados no estado. "Agora temos um instrumento jurídico, só convalidado a sete estados, que dá competitividade muito maior a Mato Grosso do Sul para atrair turistas e baratear as passagens de empresas que operam no estado", disse Azambuja ao assinar o decreto em ato com participação do presidente da Assembleia, Paulo Corrêa (PSDB), e secretários. Por enquanto, duas companhias áreas confirmaram novos voos em MS: a Gol terá dois voos adicionais em Campo Grande e vai operar em Bonito; e a Azul passará a operar em Ponta Porã.

Deputado fala em caos na segurança caso União não reveja convênio com MS

O deputado Barbosinha (DEM-MS) alertou na tribuna da Assembleia que há o risco de ocorrer um caos na segurança de Mato Grosso do Sul caso não seja revisto um convênio da União com o Estado cujo prazo de vigência termina no dia 27 de junho. Pelo acordo, as forças da Secretaria de Segurança Pública (Sejusp) auxiliam a Polícia Federal na prevenção e repressão ao tráfico de drogas e armas, o que é atribuição federal. "O convênio apresenta completo desequilíbrio impondo obrigações ao MS e praticamente nenhuma a União", disparou Barbosinha. Ex-secretário de Segurança, ele afirmou que o Estado gasta bem mais do que R$ 130 milhões por ano em ações contra o tráfico e manutenção desses presos, sem a contrapartida federal necessária. Barbosinha lembrou que o governador Reinaldo Azambuja já pediu ao Ministério da Justiça revisão dos valores repassados ao Estado e um plano de trabalho condizente com as obrigações de cada ente. "A Polícia Federal não está estruturada e nem equipada. O governo federal ao longo dos anos não cuidou de preparar essas polícias para sua função. MS vem cumprindo este papel, mas estamos num ponto de exaustão. Não tem como tolerar e nem sustentar financeiramente este cenário", disse o deputado.

Jair Bolsonaro nomeia ex-assessor de Moka para comandar a Sudeco

Jair Bolsonaro exonerou da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), Marcos Henrique Derzi, que havia sido indicado para o cargo no início do ano passado pelo ex-senador Pedro Chaves com aval do então ministro Carlos Marun. O presidente nomeou como novo superintendente Nelson Vieira Fraga Filho, que foi assessor do ex-senador Waldemir Moka (MDB-MS) e é ligado ao governador e ex-senador de Goiás Ronaldo Caiado (DEM). Fraga Filho é ligado ao setor do cooperativismo. Também é especialista em projetos regionais. Atuando com Moka, foi responsável pela elaboração de projetos como o que reintroduziu o plantio da erva-mate em Mato Grosso do Sul e o de criação de um centro tecnológico para jovens na fronteira, em Ponta Porã. Atualmente, assessorava a liderança do governo no Senado.

'TamoJunto'

Depois da convenção que o elegeu presidente regional do PSD, Nelsinho Trad foi ao Clube Estoril para a feijoada #TamoJunto, evento beneficente coordenado pelo tucano Carlos Alberto de Assis. O senador dividiu a mesa com o governador Reinaldo Azambuja, o deputado federal Beto Pereira e Jamilson Name. Indagado se o deputado estadual vai se filiar ao PSD, Nelsinho se inspirou no nome da festa para dizer que as portas estão abertas e respondeu ao Blog: "Estamos juntos". Liberado pelo presidente PDT Dagoberto Nogueira para sair da sigla sem perder o mandato, Jamilson ainda avalia a situação. Antes de tomar qualquer decisão, vai consultar a Justiça Eleitoral sobre trocar de sigla sem abertura de uma janela partidária.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Marco Eusébio

Marco Eusébio

Jornalista, blogueiro e analista político.


Saiba mais sobre Marco Eusébio...