Semana On

Quinta-Feira 26.nov.2020

Ano IX - Nº 420

Coluna Eles em Nós

Não é ‘um supermercado’, Globo News, o nome é Carrefour

Idelber Avelar fala de racismo, eleições e futebol

Postado em 18 de Novembro de 2020 - Idelber Avelar

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

No Carrefour foi torturado Januário Alves de Santana, falsamente acusado de roubar o próprio carro em Osasco, em agosto de 2009. É o mesmo Carrefour onde, em março de 2019, em São Paulo, Luís Carlos Gomes foi perseguido e encurralado, falsamente acusado de furtar uma lata de cerveja. E eu poderia citar outros episódios de violência racista. Tem que tornar impossível a sobrevivência da empresa em que isso acontece. Reagir. Que vergonha e que revolta, na véspera do 20 de novembro.

SOBRE SP

Pediram-me que abrisse um espaço para uma conversa sobre as eleições em São Paulo. Acedo com prazer, está aberto o espaço.

Em São Paulo, me importa menos quem vai vencer e mais o processo como se desenrolará a campanha do 2˚ turno. Nesse sentido, estou contente com as eleições de SP. Elas podem ser determinantes para a civilidade política, que era a forma dominante de se fazer política no Brasil até alguns anos atrás.

Guilherme Boulos nunca foi santo de minha devoção, menos por suas posições políticas -- que são as mesmas de Marcelo Freixo, por exemplo, alguém que admiro muito como político -- e mais por uma tendência impressionante a circular hoaxes e terraplanismos. Mas reconheço que ele amadureceu muito, fez uma campanha inteligente, e já é indiscutível que ele se firmou como a maior liderança de esquerda da cidade. A presença de Erundina, claro, dá autoridade à chapa. Daí ontem, bem quando a gente o elogiava, ele soltou outro disparate sobre previdência...

Bruno Covas parece ser o favorito, por tudo o que sabemos: o domínio e enraizamento que tem o tucanato na cidade, a gestão relativamente bem avaliada, a simpatia extra advinda da luta contra o câncer etc. Mas lembremos que a cidade é pródiga em surpresas. Só a minha geração, para não ir mais longe, viveu duas: Jânio e a própria Erundina, em 1988.

Ao contrário da eleição do Rio, a de São Paulo tem apoiadores das duas chapas frequentando a página, então lembro-lhes que, por favor, não agridam ao coleguinha. Mas pode defender seu candidato, sim.

Para mim, como disse acima, o legado que esta eleição da megalópole maior pode deixar para o país são os rudimentos de outro registro retórico para se fazer política, aos quais quem sabe a gente possa acudir quando passar a devastação do bolsonarismo.

Espaço aberto aí para vocês conversarem sobre SP.

FUTEBOL

Assisti aos pênaltis de América-MG x Internacional com o manto verde-negro, camisa clássica do Coelho.

Foi emocionante: Coelhão, pela primeira vez entre os quatro melhores da Copa do Brasil.

PS: Eu sei que americanos odeiam que atleticanos [ou cruzeirenses] torçam por eles, mas o Mecão do Lisca está irresistível; que venha o Palmeiras!

PSTU: vejam as bizarrices do futebol. A Polly Ferreira, que como flamenguista odeia o Galo, está com certeza celebrando, como eu, o querido Coelhão, por quem sempre torço contra times não mineiros.

ELEIÇÕES

Curto muito o período de eleições municipais no Brasil e sempre as comentei, as de 2004 e 2008 no mundo blog, e as de 2012 e 2016 no mundo redes sociais. Sempre votei nas municipais e me lembro de cada um dos meus votos em Beagá desde 1985. Este ano, infelizmente, a pandemia impediu. Nós, expatriados, podemos votar em consulados, mas só nas nacionais, não nas municipais.

No entanto, uma coisa que tenho orgulho de nunca ter feito é desqualificar o voto de alguém que mora em outra cidade, na qual eu tenho uma preferência, mas não tenho domicílio eleitoral. É muito chato e deselegante. Há que se ter um jeitinho para pedir voto nestas situações.

Não acho absurdo que alguém endosse um candidato fora de sua cidade. Já fiz isso e faria de novo se fosse o caso. Mas é o fim da picada que alguém do Recife, que nunca pôs os pés em Belo Horizonte, que não sabe a diferença entre o Barreiro e a Savassi, venha com dedos na minha cara por eu ter objeções ao fato de que Áurea Carolina estava, pela terceira vez consecutiva, pedindo voto sem ter concluído o mandato que lhe foi dado pelo povo. Faço questão de dizer isso só agora, para não correr o risco de tê-la atrapalhado.

Eu, que sou belo-horizontino, que votei nela em 2016, ouvirei desaforos e acusações estapafúrdias porque algum militante do PSOL, na Vila Madalena ou em Laranjeiras, quer “construir o partido” e só se importa com números, não com a realidade dos meus parentes abaixo da linha da pobreza em Beagá? É desaforo demais, vocês não acham?

Não seja essa pessoa. Se você vai mesmo ser cabo eleitoral em cidades que não são a sua, Google Maps é seu amigo. Aprenda um pouco sobre a cidade para pedir o voto e não ataque o coleguinha que vota em outrem. Acredite: amanhã os dois políticos estarão juntos e você perdeu um amigo à toa. Além do que, aprender sobre a realidade na qual você está pedindo voto é o mínimo que você, que decidiu atrelar o seu discurso a algum político, deve ao eleitor comum.

Grato.

OBAMA

A conversa do Pedro Bial e da Flávia Barbosa com o Obama foi boa. Cabem duas observações:

1. É quase impensável hoje ver um presidente falar desse jeito, com esse grau de nuance.

2. É fato que Obama zera todas as definições de carisma, mas UMA perguntinha crítica seria muito pedir? Meia hora de entrevista e nenhuma pergunta crítica, dura?

Exemplos do que poderia ser perguntado:

a) Presidente, o que o Sr. tem a dizer em defesa de um governo que triplicou o número de bombas na cabeça dos paquistaneses?

b) Presidente, o que tem a dizer em defesa da sua desastrada intervenção na Líbia, que Hillary queria e Biden não queria? Por que não bancou o seu vice-presidente? Está contente com o resultado?

c) Presidente, o Sr. deportou mais imigrantes indocumentados que o governo Bush. O que tem a dizer em defesa dessa política cruel de deportações?

etc. etc. etc.

****

Mas pedir isso ao jornalismo brasileiro, especialmente com alguém como Obama, já seria pedir demais, sabemos disso.

Em todo caso, vejam aí, ficou bom. Deslumbrado, mas bom.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Idelber Avelar

Idelber Avelar

Idelber Avelar é professor titular de literatura latino-americana e teoria literária em Tulane University.


Saiba mais sobre Idelber Avelar...