Semana On

Quinta-Feira 26.nov.2020

Ano IX - Nº 420

Coluna Agromundo

Pecuária sustentável reduz emissões de carbono oito vezes, aponta estudo

Pesquisa demonstrou que técnica é capaz de produzir carne emitindo menos gases de efeito estufa do que produção convencional

Postado em 18 de Novembro de 2020 - Manoel Schlindwein – Veja

Foto: Joaquim Bezerra/Embrapa Foto: Joaquim Bezerra/Embrapa

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O modelo de pecuária sustentável intensificada usado pela empresa PECSA (Pecuária Sustentável da Amazônia em Mato Grosso) é capaz de produzir carne emitindo quase oito vezes menos gases de efeito estufa do que a pecuária convencional realizada em pastagens degradadas. Esse é um dos principais resultados de um estudo do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora).

De acordo com a pesquisa, se o modelo sustentável for aplicado em escala até 2025 no estado do Mato Grosso, poderá evitar a emissão de 92 milhões de toneladas de CO2. O volume representa quase 20% do total anual de emissões da agropecuária brasileira.

“O mundo se pergunta como é possível produzir alimento e reduzir as emissões ao mesmo tempo. A resposta, no caso da pecuária na Amazônia, está na adoção de boas práticas. São poucos setores nos quais ganhos de eficiência podem gerar benefícios tão significativos”, destaca o diretor de governança e investimento da PECSA, Laurent Micol.

O sistema consiste em reformar pastagens degradadas e implantar um padrão com alta produtividade e sustentável, baseado em boas práticas agropecuárias, como o manejo rotacionado das pastagens e a suplementação nutricional.

Na prática, o modelo aumenta a eficiência do sistema, permitindo encurtar o ciclo de produção em um terço e, ao mesmo tempo, reduzir a emissão de gás metano em quase 40%. Além disso, promove a recomposição do estoque de matéria orgânica no solo da pastagem reformada. Com isso, consegue-se uma redução no balanço total das emissões de gases por quilo de carne produzida que chega a 88%.

O coordenador de projetos do Imaflora e responsável pelo estudo, Ciniro Costa Júnior, ressalta o pioneirismo da análise. “Diferentemente de outros estudos que avaliaram as emissões da pecuária de forma genérica, esse é o primeiro que faz uma comparação direta entre dois sistemas utilizando todos os parâmetros que são aplicados a partir das diretrizes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), e assim, demonstra em detalhes os efeitos das novas práticas na redução das emissões”, explica.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...