Semana On

Sábado 21.out.2017

Ano V - Nº 276

Super Banner na capa e em toda a revista

Coluna Ágora Digital

Lula lá: na presidência ou na cadeia

A política, no que ela tem de surreal, com o jornalista Victor Barone

Postado em 06 de Outubro de 2017 - Victor Barone

Na primeira pesquisa Datafolha após sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Lula (PT-SP) aparece na liderança em todos os cenários simulados pela pesquisa Datafolha, publicada no último dia 1º. O petista tem pelo menos 35% das intenções de voto, salto de cinco pontos percentuais desde a última pesquisa, divulgada no fim de junho. Empatados tecnicamente em segundo lugar estão o deputado Jair Bolsonaro (PSC-SP) e a ex-senadora Marina Silva (Rede), variando entre 16% e 17% e 13% e 14% respectivamente.

Eles querem o Lula preso

A pesquisa do instituto Datafolha aponta que 54% dos entrevistados consideram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) deveria ser preso com base nas informações reveladas pela Operação Lava Jato. O petista foi condenado em julho pelo juiz federal Sérgio Moro a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro sob a acusação de ter recebido um apartamento triplex em Guarujá (SP) como propina da construtora OAS. Ainda cabe recurso da condenação. Outros 40% acham que Lula não deve ser preso e 5% não soube responder.

Sou uma ideia

Em discurso de campanha em frente à sede da Petrobras, no centro do Rio, na terça (3), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) se comparou a Tiradentes e disse que hoje representa "uma ideia assumida por milhões de pessoas".  "O Lula não é mais só o Lula. O Lula é uma ideia assumida por milhões de pessoas", disse ele, em evento promovido por centrais sindicais contra a privatização de estatais.

Pena de Lula

O Ministério Público Federal (MPF) protocolou na manhã de sexta-feira (6) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, uma apelação que pode aumentar a pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP). O juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, o condenou a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O processo está na mesa do gabinete do relator da Lava-Jato na Corte, desembargador João Pedro Gebran Neto, para elaboração de relatório e voto. Depois, o documento é encaminhado para o revisor, desembargador Leandro Paulsen, e para o terceiro desembargador Victor Laus, até ser pautado o julgamento. O TRF4 informou que não há prazo para que isso aconteça.

Eles não querem Temer...

A mesma pesquisa do Datafolha - veja as notas acima - mostra que a avaliação do governo do presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP) continua em queda livre. Ruim ou péssimo: 73% / Regular: 20% / Ótimo ou bom: 5% / Não sabe: 2%.

...mas o querem investigado

O Datafolha informa que 89% dos brasileiros são favoráveis à abertura de investigação contra o presidente Michel Temer (PMDB-SP) por formação de organização criminosa e obstrução à Justiça.

Parceiros

O presidente Michel Temer (PMDB) e seu aliado, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, além de outros políticos envolvidos em denúncias de corrupção, viraram alvo de um bulliyng virtual de bandidos em um vídeo que circulou nas redes sociais na terça-feira (3). Nas imagens de um roubo a um cofre, os ladrões dão um recado: “Aê Temer, seu filho da puta! Pensa que é só você que rouba, né, seu filho da puta. Nóis também (sic) rouba. Pega a visão”, diz um dos ladrões. Os assaltantes filmaram a retirada de maços de dinheiro de um cofre, enquanto debochavam da situação de presos da Lava-Jato, como Geddel e o empresário Eike Batista. “Chora não Geddel”, dizem.  Os bandidos também mostram a hora no relógio e dizem que estão ‘trabalhando’ na madrugada. Um deles diz votar no deputado federal Jair Bolsonaro.

Briga de nerd

A criação do fundo público de financiamento de campanhas eleitorais foi aprovada pela Câmara Federal de forma simbólica, sem registro de votos no painel eletrônico, o que provocou protesto no plenário. O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), favorável à votação nominal, bateu-boca com o deputado Carlos Marun (PMDB) em meio a empurrões e gritaria. Delgado gritava com Hildo Rocha (PMDB-MA) que defendia o fundo. Marun tentou acalmar Delgado, que continuou a gritar e avançar de dedo em riste e punhos cerrados em direção aos adversários. Foi aí que os dois se desentenderam e trocaram gritos, empurrões e ofensas. "Seu merda! Seu merda!", gritou Marun, enquanto colegas tentavam afastá-lo de Delgado.

Menos um

Por 5 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu na quinta-feira (5) o pedido de registro do ‘Muda Brasil’, um novo partido que o ex-deputado mensaleiro Valdemar Costa Neto tentava criar. Com isso, a legenda não poderá participar das eleições de 2018. Na prática, a decisão do TSE sepultou uma articulação subterrânea de Valdemar, que negociava a filiação ao novo partido do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), segundo colocado na corrida presidencial, com 16% das intenções de voto, de acordo a mais recente sondagem do Datafolha.

Temer enroladão

Nem mesmo se livrou da segunda denúncia da Procuradoria Geral da União (PGR), o presidente Michel Temer (PMDB-SP) já é ameaçado por uma terceira investida. O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a PGR a interrogar o presidente no inquérito que apura a suspeita de troca de propinas por um decreto que supostamente beneficiou empresas do setor portuário, entre elas a investigada Rodrimar.

PSDB sem rumo

Tentando lavar as mãos frente ao relatório que deve livrar o presidente Michel Temer (PMDB-SP) da segunda denúncia da Procuradoria Geral da União (PGR), o PSDB afastou da Comissão de Justiça da Câmara o deputado Bonifácio de Andrada (MG), o tucano escalado pelo Planalto para fazer o papel de coveiro. A medida foi, digamos, para inglês ver, já que Bonifácio continua responsável pela redação do relatório amigável. O PSDB mantém quatro representantes no ministério de Temer. Seu coordenador político é o ministro Antonio Imbassahy, tucano emplumado. A fatia anti-governista do tucanato finge que não vê o debacle de Aécio Neves. Enquanto isso, o MBL bate palmas.

Contragolpe

O advogado Eduardo Carnelós, que defende o presidente Michel Temer (PMDB-SP), afirmou que a denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o peemedebista, por organização criminosa e obstrução de Justiça é uma "tentativa de golpe". Ele afirmou ainda que a peça é “armada” e baseada em “provas forjadas”. Carnelós entregou à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal a defesa de seu cliente em relação à denúncia. Caberá aos deputados a decisão de autorizar ou não o andamento das acusações no Supremo Tribunal Federal (STF).

Dancinha

Indicado pelo presidente Michel Temer (PMDB-SP) ao Supremo Tribunal Federal (STF) em fevereiro, o ministro Alexandre de Moraes recebeu em seu gabinete em Brasília um grupo indígena que o convenceu a acompanhálo em uma dança típica. O vídeo foi divulgado nas redes sociais pelo próprio magistrado, que ao final da cantoria agradeceu pela homenagem – com cocares e outros adereços, os índios encaixam o nome de Moraes no canto, uma oração tradicional. “Agradeço a confiança e a homenagem que recebi da comunidade indígena”, escreveu Moraes no Twitter. “Recebi as comunidades indígenas da Raposa [Serra] do Sol para garantir a efetividade de seus direitos. Agradeço a oração que proferiram em minha proteção”, acrescentou o juiz no Facebook.

Presepada

O deputado Aureo Ribeiro (SD-RJ) apresentou, o Congresso aprovou, e o presidente Michel Temer (PMDB-SP) vetou – sob pressão da sociedade - emenda que obrigaria provedores de internet a retirar do ar – sem ordem judicial - conteúdo no qual os políticos enxerguem “discurso de ódio, disseminação de informações falsas ou ofensa”. Bastaria o pedido de um partido ou candidato às eleições de 2018 para que o material fosse suprimido. Vai vendo...

Desclassificado

O Comitê Olímpico Internacional (COI) se posicionou de forma dura em relação aos escândalos de corrupção envolvendo o esporte brasileiro. Na sexta-feira (6), o Comitê Executivo da entidade suspendeu provisoriamente o Comitê Olímpico do Brasil (COB) e seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, um dia após a prisão do dirigente acusado de articular esquema de compra de votos na eleição que escolheu o Rio de Janeiro como sede olímpica em 2016. Os pagamentos feitos ao COB serão congelados, afirmou o COI, acrescentando que a punição não irá afetar atletas brasileiros. Individualmente, Nuzman foi provisoriamente suspenso de todos os direitos e funções como membro honorário do COI. Com a punição, Nuzman também foi excluído da Comissão de Coordenação dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O COI ainda ressalta que a suspensão provisória ao COB e ao dirigente pode ser “retirada parcial ou totalmente assim que questões de governança sejam esclarecidas ao Comitê Executivo da entidade.”

Deu ruim

O governo brasileiro tem pronto um plano para mandar o italiano Cesare Battisti de volta ao seu país natal. A ideia é embarcá-lo num avião da Polícia Federal direto de Corumbá, onde ele foi preso sob suspeita de evasão de divisas e também lavagem de dinheiro. O ex-juiz da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Odilon de Oliveira, decretou quinta-feira (5) a prisão preventiva do italiano por considerar a existência de indícios “robustos” dos crimes apontados na detenção em flagrante. Segundo o magistrado, as circunstâncias sugerem que Battisti tentava fugir para a Bolívia “temendo ser efetivamente extraditado”, como pede a Itália ao governo brasileiro.

Nobel do papelão

Um grupo de 23 ganhadores do prêmio Nobel enviou uma carta ao presidente Michel Temer (PMDB-SP) com preocupações relacionadas aos cortes no orçamento em ciência e tecnologia no Brasil. Na carta, o grupo cita que os cortes podem comprometer o futuro do país e que grupos de pesquisa brasileiros renomados internacionalmente podem ser afetados. Neste ano, a pasta de Ciência e Tecnologia brasileira sofreu um corte de 44% em seu orçamento (de R$ 5,8 bilhões em 2016, para R$ 3,2 bilhões em 2017).

Fábrica de injustiça

Um em cada cinco processos em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF) prescreveu no ano passado, revela relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A taxa de prescrição, que chegou a 18,8%, é a maior em oito anos. Ou seja, nesses casos, o Estado perdeu o direito de punir. O movimento foi acompanhado de um aumento exponencial nos processos originários na Corte, que cresceram seis vezes de 2009 até o ano passado, saltando de 476 para 2.803.

Catinguentos

Pessoas negras são “catinguentas” e costumam não tomar a quantidade certa de banhos diários, por isso acabam “fedendo mais do que o recomendável”. Essas e outras pérolas foram escritas pelo promotor de Justiça José Avelino Grota de Souza, que decidiu compartilhar essas conclusões em um grupo do Ministério Público de São Paulo (MP-SP). Diante da repercussão do fato, Avelino – assim como membros do Ministério Público – afirmaram se tratar de um texto com uma série de ironias, bem como a história de trabalho do promotor seria no sentido oposto ao que ficou compreendido...

Asnos de Tróia

Mensagens de whatsapp de líderes do Movimento Brasil Livre (MBL) - como Kim Kataguiri - revelam que o movimento planeja isolar a velha guarda do PSDB, identificada por eles como “de esquerda”, e se aliar ao grupo mais jovem. O grupo “MBL – Mercado” inclui os irmãos Renan e Alexandre Santos, o vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM), o youtuber Arthur do Val e o funkeiro Pedro “D’Eyrot” Deiro. Numa das mensagens, Kim diz que “a ideia é deixar todo esse povo podre afundando com o PSDB e trazer a galera mais Jovem e liberal pro MBL”. Alexandre Santos continuou: “Mas não estamos nos juntando ao PSDB. Muito menos ao Aécio, Beto Richa e Alckmin.” Uma das pessoas pergunta se o MBL tem “algum preconceito com pessoal mais velho”. E Kim responde: “Com os do PSDB temos preconceito, conceito e pós-conceito. São pilantras.” Em outra mensagem Renan explica em um áudio: “Não bastava a gente tirar o PT do poder, estamos destruindo o PSDB ali, essa ala de esquerda tá desesperada, estamos pegando os melhores nomes deles e, ou eles vão sair, ou eles acabam fortalecendo e tomam partido e tiram essa esquerda aí. Mas a esquerda do PSDB tá desesperada, e não para de vir novas lideranças do PSDB pro time. Doideira. Bom dia, aí.” Veja a reportagem completa na Piauí.

Bombom do bom

As contas do governo estão numa situação crítica. Enfrentar o rombo de R$ 159 bilhões é uma das tarefas mais árduas com a qual a equipe econômica precisa lidar. Mas a crise não impede que alguns presentinhos sejam ofertados pelo presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP).  O cerimonial do Ministério das Relações Exteriores reservou cerca de R$ 8 mil para a compra de bombons para dignitários estrangeiros em visita ao Brasil ou visitados pelo Governo brasileiro, seguindo o cerimonial diplomático consagrado internacionalmente. A compra consistiu em 4 caixas grandes e 3 caixas menores de chocolate artesanal de alta qualidade produzido no Brasil, da marca Aquim.

Saudades do pau de arara

O deputado João Rodrigues (PSD-SC) afirmou na terça-feira (3), na tribuna da Câmara, que parlamentares que apoiem performances como a do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) em que um homem se apresentou nu têm que "levar porrada" e "levar cacete". A apresentação de Wagner Schwartz foi feita na terça (26), na estreia do 35º Panorama de Arte Brasileira, tradicional exposição bienal que aborda a arte no país e propõe reflexão sobre a identidade brasileira. Segundo o MAM, no evento, aberto a visitantes, havia sinalização sobre a nudez na sala onde a performance ocorria. Em 2015, Rodrigues ganhou destaque no noticiário, não por sua atuação parlamentar, mas ao ser flagrado assistindo a um vídeo pornográfico no plenário da Câmara durante uma sessão que discutia propostas de reforma política.

Sem intimidação

A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) repudiou na terça-feira (3) as declarações feitas pelo presidente Michel Temer (PMDB-SP) em uma rede social, definindo-as como irresponsáveis. Em post no Twitter, o presidente afirmou que tem que "lidar com mais uma denúncia inepta e sem sentido proposta por associação criminosa que quis parar o país", em referência à acusação apresentada por Rodrigo Janot, que o denunciou por obstrução de justiça e organização criminosa. O presidente da ANPR, procurador José Robalinho Cavalcanti, afirmou ser natural que Temer exerça sua autodefesa, mas chamou de "absolutamente incabível e irresponsável" o uso de meios oficiais pelo presidente para ofender o Ministério Público. A associação defendeu a atuação do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, enfatizou que os procuradores não se intimidarão e diz que o trabalho seguirá "de forma serena e firme, sem temer ninguém e sem olhar a quem”.

Estupro moral

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) foi vítima das chamadas fake news. A divulgação de um áudio na internet com uma imitação de sua voz (confira abaixo), em quase 15 minutos de fala, em que o falsário garante que a intervenção militar está em curso de maneira irreversível, irritou Buarque. Dizendo-se apoiador do militarismo, o homem que se passa por Cristovam assegura: “Nada, nada, nada vai tirar a intervenção militar do curso”. O senador foi à tribuna do plenário denunciar a farsa, que classificou como “estupro moral ou intelectual de alguém tentar imitar a voz de uma pessoa”. "Ainda bem que não conseguiu imitar bem a minha”, afirmou, dizendo-se indignado. Segundo o senador, outra questão lhe causou ainda mais desconforto. “O que mais me surpreendeu e me assustou é que recebi parabéns por conta desse discurso que eu não fiz e não faria. Pessoas que acreditaram que eu estava falando aqueles absurdos vieram dizer: ‘É isso mesmo, senador’. Essa foi a maior surpresa que eu tive e que me deixou mais preocupado do que indignado com a situação em que fui colocado, até porque a situação em que fui colocado se explica”, lamentou.

Fim da linha

O juiz Sergio Moro recebeu na segunda-feira (2), em São Paulo, um prêmio da Universidade Notre Dame em reconhecimento ao seu trabalho na operação Lava Jato em Curitiba, onde se concentram as investigações em primeira instância. No discurso de agradecimento, Moro afirmou que a investigação, que começou em 2014, está chegando ao fim.

Cinquentinha

O deputado federal e provável candidato à presidente Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi condenado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro a pagar R$ 50 mil a comunidades quilombolas e à população negra por danos morais. Os recursos devem ser revertidos para o Fundo Federal de Defesa dos Direitos Difusos.  A sentença é resultado de uma ação ajuizada pelo Ministério Público Federal, que processou o deputado por discriminação com base em declarações feitas durante discurso no Clube Hebraica, no Rio, em abril deste ano. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que visitou uma comunidade quilombola e "o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas" e que "nem para procriador ele serve mais".


Voltar


Colunista

Victor Barone

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Saiba mais sobre Victor Barone...

Comente sobre essa publicação...